Tamanho do texto

Bombardeio da coalizão internacional atingiu campo de treinamento do grupo terrorista, onde os menores de idade estavam sendo treinados, na Síria

Em um dos vídeos divulgados pelo Estado Islâmico, um menino fez um breve discurso antes de entregar facas a terroristas
Reprodução/Youtube
Em um dos vídeos divulgados pelo Estado Islâmico, um menino fez um breve discurso antes de entregar facas a terroristas

Cerca de 100 crianças morreram após um bombardeio contra um campo de treinamento do grupo terrorista Estado Islâmico, em Deir az Zor, no leste da Síria. As informações são da emissora  Al Arabiya.

Leia também: Saiba tudo sobre o Estado Islâmico no iG

De acordo com as informações da emissora, a responsável pelo ataque foi a coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos para agir contra o  Estado Islâmico . A sede da Al Arabiya  fica nos Emirados Árabes Unidos, mas ela é controlada pela Arábia Saudita, dois países que integram a coalizão.

A notícia também foi veiculada por um grupo de ativistas contra o grupo terrorista que trabalha de maneira clandestina na região. No entanto, até o momento a ação não foi confirmada oficialmente.

Segundo as informações, o bombardeio ocorreu na madrugada entre o último sábado (5) e o último domingo (6), em uma área situada a 50 quilômetros da fronteira com o Iraque, onde ocorria o treinamento de menores de idade aliciados ao grupo extremista .

Leia também: Austrália diz que Estado Islâmico planejava 'atentado sofisticado' no país

Pelo que foi informado pelos ativistas, milicianos do grupo extremista cercaram a zona do ataque e impediram o acesso de civis. A área também concentra a maior parte dos jihadistas que chegam à Síria a partir da Ásia Central e do Extremo Oriente. 

Direitos humanos

A notícia chegou nesta segunda-feira, um dia depois de a suíça Carla Del Ponte ter renunciado a um assento na comissão independente formada pelas Nações Unidas para investigar violações cometidas durante a guerra na Síria.

Em entrevista à Agência ANSA , nesta segunda-feira (7), Del Ponte afirmou que há sete anos o país é palco de crimes de guerra e contra a humanidade de "ferocidade e brutalidade sem iguais". "A comissão fez inquéritos preliminares que deram em nada, e o Conselho de Segurança nunca se mexeu. Agora chega, essa situação é inaceitável, uma vergonha", disse.

Leia também: Ataque da coalizão internacional a prisão do Estado Islâmico mata 57 pessoas

Rica em recursos hídricos e energéticos, Deir az Zor é um dos últimos bastiões urbanos do Estado Islâmico e deve ser alvo de uma iminente ofensiva das forças do presidente Bashar al Assad, apoiadas por milícias iranianas e pela Rússia.

* Com informações da Agência Brasil.

    Leia tudo sobre: estado islâmico

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.