Tamanho do texto

Seis mulheres foram vítimas de um ataque em um resort no Egito; também hoje, igrejas cancelaram atividades no Cairo por medo de futuros atentados

Vítimas de ataque no Egito eram da Ucrânia, na Sérvia e da Polônia, afirmaram as autoridades locais
Reprodução/Al Arabiya
Vítimas de ataque no Egito eram da Ucrânia, na Sérvia e da Polônia, afirmaram as autoridades locais

Duas turistas foram mortas e outras quatro ficaram gravemente feridas depois de um ataque em um resort de Hurghada, no Egito, nesta sexta-feira (14).

Leia também: Adolescente é preso em Londres após atacar cinco pessoas com ácido nesta quinta

De acordo com o Ministério do Interior do Egito , o agressor foi preso no local e está sendo interrogado. As vítimas, todas mulheres, foram esfaqueadas.

A cidade de Hurghada se estende por 40 quilômetros da costa egípcia e é repleta de turistas por abrigar diversos resorts, restaurantes e bares.

Segundo o jornal britânico The Independent , a segurança local afirmou que as vítimas que morreram eram todas da Ucrânia.

As demais vítimas, de acordo com o jornal, eram da Sérvia e, uma delas, da Polônia. 

Um oficial que pediu para não seridentificado disse que as vítimas foram atingidas por facadas no rosto, no pescoço e nos pés.

O chefe do departamento consular do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, Vasil Kyrylych, não quis comentar o caso até que recebesse informações oficiais do governo egípcio. 

Leia também: Um ano após atentado em Nice, Trump e Macron comemoram Dia da Bastilha na França

Segundo as investigações iniciais, o agressor ganhou acesso ao resort por meio de uma praia próxima. Ele teria chegado ao local nadando. 

Igrejas egípcias

Também nesta sexta-feira, em Cairo, a Igreja Copta e a Igreja Católica cancelaram todas as conferências, as atividades culturais e as viagens previstas no país até o final deste mês por motivos de segurança.

De acordo com a agência EFE, a primeira de tais igrejas suspendeu seus trabalhos por recomendações recebidas do Ministério do Interior, com o qual está em permanente contato desde os atentados contra catedrais coptas realizados no Domingo de Ramos

Segundo assegurado pelo porta-voz Boulos Halim, não existe qualquer ameaça concreta de terrorismo que tenha motivado a suspensão das operações e a decisão se deve ao ambiente “geral da segurança” no país. A igreja estudará posteriormente se aumenta o prazo ou se poderá voltar ao normal.

A decisão também foi adotada pela Igreja Católica, mas nesse caso as atividades religiosas dentro dos templos estão mantidos, de acordo com o porta-voz da Igreja Católica no país, Rafic Greiche.

Desde dezembro de 2016, o grupo jihadista Estado Islâmico reivindicou a autoria de uma série de atentados contra cristãos coptas em diferentes pontos do norte e centro do Egito. Centenas de pessoas morreram nessas ações.

Dezenas de famílias cristãs fugiram em fevereiro deste ano da província do Sinai do Norte (nordeste), onde o Wilayat Sina – a filial egípcia do EI – tem sua base, depois que extremistas muçulmanos fizeram vários ataques e ameaças.

Leia também: Mulher escorrega na hora da selfie e causa danos de US$ 200 mil nos EUA; assista

Os cristãos coptas representam quase 12% da população do Egito. Os atentados de abril fizeram o governo decretar estado de emergência em todo o país, que já era aplicado no Sinai do Norte desde 2014.

* Com informações da Agência Ansa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas