Tamanho do texto

Abu Bakr al-Baghdadi já tinha sido dado como morto em junho, pela Rússia; de acordo com a emissora, os terroristas já pensam em escolher substituto

Abu Bakr al-Baghdadi declarou 'califado' do Estado Islâmico e milhares de jovens muçulmanos do mundo atenderam o apelo
Reprodução
Abu Bakr al-Baghdadi declarou 'califado' do Estado Islâmico e milhares de jovens muçulmanos do mundo atenderam o apelo

A morte do líder do grupo terrorista Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi – que tinha sido anunciada em junho pelo governo russo – foi confirmada nesta terça-feira (11) pela emissora iraquiana de televisão Al Sumaria

Leia também: Veja tudo sobre o Estado Islâmico no iG

De acordo com a emissora, sua equipe de reportagem ficou sabendo da morte do terrorista por "uma fonte na província de Nínive", no Iraque, a qual fora informada do falecimento de al-Baghdadi pelo próprio Estado Islâmico .

A rede de televisão ressaltou também que o grupo anunciará em breve o nome do novo líder do grupo extremista.

"As autoridades do Isis em Tel Afar, que se tornou a capital provisória do grupo após a queda de Mosul, anunciaram a morte de al-Baghdadi , sem fornecer detalhes, e informaram que o nome do novo califa será publicado em breve", disse a fonte.

Em junho, o ministro da Defesa da Rússia afirmou que um ataque aéreo russo poderia ter matado o número um do grupo . A informação, porém, não chegou a ser confirmada pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

"Informações que estão sendo checadas por diversos canais indicam que o líder, Abu Bakr al-Baghdadi, que foi eliminado pelo ataque aéreo, também estava participava do encontro", informou o ministério segundo a agência de notícias  RIA .

Um dos mais procurados do mundo

Abu Bakr al-Baghdadi teria nascido em Samarra, norte de Bagdá, em 1971, e se juntado à rebelião que começou a surgir no Iraque logo depois da invasão liderada pelos EUA em 2003. As informações sobre o líder terrorista são de difícil acesso. 

Algumas informações apontam que ele já era um militante jihadista durante a era de Saddam Hussein. Outros sugerem que ele foi radicalizado durante os quatro anos em que foi mantido em Camp Bucca, uma academia dos EUA no sul do Iraque, onde muitos comandantes da Al-Qaeda foram presos.

Segundo analistas, Baghdadi é visto como um comandante de campo de batalha estrategista  e isso seria um dos pontos mais atraentes para jovens jihadistas em comparação à Al-Qaeda, que é liderada por Ayman al-Zawahiri, um teólogo islâmico.

Em outubro de 2011, os EUA oficialmente designaram Baghdadi e o colocaram com um dos terroristas mais procurados do mundo, com uma recompensa de US$ 10 milhões, cerca de R$ 30 milhões por informações que levem à sua captura ou morte.

Caso a morte dele seja efetivamente confirmada, será um grande triunfo da Rússia , que intervém na guerra civil síria e defende o ditador Bashar al-Assad, e um revés para os Estados Unidos, que oferecia a tal recompensa.

O programa de recompensas de contraterrorismo do Departamento de Estado dos EUA ofereceu os mesmos US$ 25 milhões por Bin Laden e pelo falecido presidente iraquiano, Saddam Hussein, e ainda oferece o valor para quem denunciar o sucessor de Bin Laden na Al Qaeda, Ayman al-Zawahiri.

Leia também: "Tenho vergonha de sofrer", desabafa mãe de terrorista morto em Londres

Em outras ocasiões, o líder do Estado Islâmico já foi declarado como morto, mas a informação logo foi desmentida.

    Leia tudo sobre: estado islâmico