Tamanho do texto

De acordo com as estimativas da organização, cerca de 700 mil pessoas que fugiram do terror – antes instalado na cidade iraquiana – seguem deslocados

Estima-se que 700 mil pessoas tenham fugido do Estado Islâmico e ainda estejam deslocadas de Mossul
Acnur/Ivor Prickett/ONU
Estima-se que 700 mil pessoas tenham fugido do Estado Islâmico e ainda estejam deslocadas de Mossul

Neste domingo (9), o primeiro ministro do Iraque, Haidar Al Abadi, anunciou que as Forças Armadas do país conseguiram recuperar o controle de Mossul, cidade que foi tomada por integrantes do grupo terrorista Estado Islâmico. Segundo ele, a cidade está "liberada". Mossul é a segunda maior cidade do país.

Leia também: Veja tudo sobre o Estado Islâmico no iG

Tal vitória do exército iraquiano abre espaço para criar as condições necessárias para o retorno voluntário, seguro e digno dos deslocados pelo conflito contra o Estado Islâmico . Isso é o que afirmaram, nesta segunda-feira (10), as Nações Unidas, por meio de um comunicado.

Em nota, o secretário-geral da ONU, António Guterres, elogiou o povo e o governo do Iraque pela sua "coragem, determinação e perseverança" e disse que a retomada da cidade é "um passo significativo na luta contra o terrorismo e o extremismo violento". As informações são da ONU News .

De acordo com Guterres, a ONU estará ao lado do governo iraquiano nas ações para promover a volta da normalidade à cidade. Os atuais desafios em Mossul incluem a restauração do Estado de direito, evitando o retorno à violência e promovendo a responsabilização pelas violações cometidas. 

Estima-se que cerca de 700 mil pessoas ainda estejam deslocadas de Mossul, sendo que quase metade delas vive em 19 acampamentos de emergência. Muitos dos que fugiram perderam tudo e precisam de alimentos, cuidados de saúde, água, saneamento e kits de emergência.

Traumas e passos para a recuperação

Além disso, o Escritório da ONU para Assuntos Humanitários revelou, nesta segunda, que se observam "níveis de trauma mais elevados que em qualquer lugar" em Mossul, onde as pessoas “viveram quase o inimaginável”

Leia também: Girl Power: mulher dá risada após se safar de tiro do Estado Islâmico; assista

Segundo a coordenadora humanitária da organização no Iraque, Lise Grande, 920 mil civis fugiram de suas casas após o início da campanha militar para retomar a cidade em outubro de 2016.

Lise considerou um alívio saber que a campanha militar na cidade está no fim. Mas advertiu que a crise humanitária continua. As Nações Unidas atuam há meses no terreno, onde "grandes esforços foram feitos pelo governo e pelos parceiros na linha da frente para se estar um passo adiante da crise".

A coordenadora humanitária disse que as Nações Unidas fizeram o melhor possível para proteger e para ajudar a maioria dos que precisam de auxílio.

No entanto, entre as próximas ações – que podem durar meses – a representante falou dos esforços de recuperação da cidade, onde 15 dos 54 bairros residenciais no oeste estão fortemente danificados e pelo menos 23 com danos moderados.

Além disso, ainda há civis em "extremo risco" estão isolados em áreas onde é provável que que ocorram confrontos com o Estado Islâmico. A meta é garantir que agências humanitárias estejam prontas para atuar nessas áreas.

Leia também: Polícia atira em casal de 'Arlequina e Coringa' em casa de swing por arma falsa

* Com informações da Agência Brasil.

    Leia tudo sobre: estado islâmico