O casal fantasiado foi alvo de disparos de policiais australianos durante sexo por causa de confusão com arma de brinquedo; veja mais da história bizarra

O casal fazia sexo quando foi surpreendido pela polícia
Reprodução/9News
O casal fazia sexo quando foi surpreendido pela polícia

Tudo corria bem na casa de swing Inflation, na Austrália, na madrugada do último sábado (8). As pessoas se divertiam na festa com temática de “Santos e Pecadores”, casais faziam sexo dentro do estabelecimento... Até que a polícia entrou em cena e mudou o destino daqueles que ali estavam. Aliás, mudou o futuro de um casal em especial, que estava vestido de Arlequina e Coringa.

Leia também: Professora substituta é presa por fazer sexo com aluno menor de idade nos EUA

Quando Zita Sukys e Dale Ewins decidiram se fantasiar para aquela noite, não imaginaram que um detalhe de seus trajes – uma arma de brinquedo – causaria problemas sérios. Porém, às três horas da manhã, eles descobriram da pior maneira possível que era melhor ter deixado o pequeno acessório em casa. Isso porque, enquanto faziam sexo , foram baleados pela polícia, que se sentiu ameaçada pelo revólver de plástico.

A festa, que acontecia na cidade australiana de Melbourne, terminou com seus participantes em pânico, enquanto Ewins e Sukys, atingidos respectivamente no torso e na perna, eram levados para o hospital. O casal, que não sofreu ferimentos graves ou capazes de colocar suas vidas em risco, passa bem.

Leia também: Casal faz sexo em poltrona de avião durante voo e é flagrado por passageiros

Os dois lados da mesma moeda

Segundo a polícia, os disparos aconteceram porque Ewins apontou sua arma de brinquedo para as autoridades e "se recusou a abaixar a pistola quando solicitado", de acordo com informações do portal  The Sun. 

Lisa Hardeman, superintendente da polícia, declarou que "quando uma arma é apontada para você, nessas circunstâncias, o policial não consegue identificar se aquele é um revólver real ou de mentira", e ainda adicionou que uma investigação será aberta para esclarecer o caso.

Por outro lado, a dona da casa de swing, Martha Tsamis, contou uma versão diferente para o mesmo site. "O homem não estava segurando nada em suas mãos, na verdade, ele estava em uma posição  comprometedora com a sua parceira, o que é uma atividade normal em eventos como esses", explicou.

No seu Facebook, Tsamis ainda detalhou alguns aspectos das festas que acontecem em seu estabelecimento:

"Esses eventos acontecem há aproximadamente 20 anos e nunca houve nenhum acidente. Os participantes costumam ser adultos, que aparecem fantasiados e se envolvem com as fantasias de sexo das outras pessoas. Uma das condições para a entrada na casa é, justamente, apresentar os trajes e seus acessórios para a equipe de segurança"

Leia também: Em busca de prazer sexual, homem introduz 15 agulhas enferrujadas em seu pênis

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.