Tamanho do texto

Eletrodoméstico no segundo pavimento deu início ao fogo que tomou edifício Grenfell Tower, de 24 andares; só nove vítimas já foram identificadas

Uma semana após incêndio no edifício Grenfell Tower, apenas 9 das 79 vítimas foram identificadas
Divulgação/Metropolitan Police
Uma semana após incêndio no edifício Grenfell Tower, apenas 9 das 79 vítimas foram identificadas

O incêndio que atingiu um prédio em Londres e deixou 79 mortos  na semana passada foi provocado por uma geladeira com defeito, anunciou nesta sexta-feira (23) a superintendente da equipe de detetives que apura as causas da tragédia no edifício Grenfell Tower, Fiona McCormack.

O eletrodoméstico fabricado pela britânica Hotpoint estava no segundo andar do edifício, localizado na região oeste de Londres . Agora, a força-tarefa de bombeiros, investigadores forenses e policiais que trabalham no caso tenta entender como, por que e em qual velocidade o fogo se espalhou para os demais andares do eficício, que tem 24 pavimentos.

"Cerca de 250 investigadores estão trabalhando pesado em todos os aspectos para entender o que aconteceu. Já temos evidências conclusivas de que o fogo não começou deliberadamente, mas sim em uma geladeira. Já sabemos que o produto, modelo FF175BP da Hotpoint, não foi alvo de nenhum recall por parte da fabricante e estamos em contato com a fabricante", disse McCormack.

A superintendente da equipe de detetives da Polícia Metropolitana de Londres explicou que, apesar de a causa inicial das chamas já ser conhecida, ainda serão apurados quais elementos possibilitaram o fogo se alastrar tanto. Devido à complexidade do trabalho e à dificuldade de locomoção dos investigadores no interior do edifício, McCormack disse que a investigação não deve ser concluída ainda neste ano.

"Temos ouvido relatos de que as chamas se espalharam rapidamente e de maneira inesperada. Vamos examinar a construção do edifício, incluindo a recente reforma ocorrida por lá. A apuração será exaustiva e, à medida que soubermos mais, a escala desse trabalho pode crescer", disse a investigadora.

Leia também: Milagre de Londres: bebê é salvo após ser jogado do 9º andar durante incêndio

Placas de alumínio e identificação das vítimas

Um dos principais suspeitos de facilitar o rápido espalhamento das chamas até agora são os painéis de alumínio na área externa do prédio.

"Os painéis estão passando por testes, mas também estamos de olho em toda a parte de fora da construção. Os ladrilhos fixados do lado de fora do prédio têm alumínio em sua composição, então estamos tentando entender no que isso implica. Os testes preliminares no isolamento desses ladrilhos indicam que há uma combustão muito rápida neles quando expostos ao fogo", disse McCormack.

Palelamente às investigações acerca da causa do incêndio , as autoridades londrinas também se esforçam para reconhecer as vítimas da tragédia. Até o momento, apenas 9 das 79 pessoas tidas como mortas foram identificadas por familiares.

O número de mortes ainda pode sofrer alterações, uma vez que as autoridades de Londres estão contabilizando no montante de 79 vítimas aquelas pessoas que possivelmente estavam no Grenfell Tower e que estão desaparecidas.

Leia também: Temer passa por saias justas na Noruega e encerra viagem cometendo gafe com rei

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.