Tamanho do texto

Governo local anunciou que reduziu nível de alerta de terrorismo de crítico para severo; policiamento nas ruas será menos intenso a partir de segunda

May, que afirmou que o terrorismo não prevaleceria após o ataque ao Parlamento, agora lida com um novo alerta de terrorismo
Reprodução/Twitter
May, que afirmou que o terrorismo não prevaleceria após o ataque ao Parlamento, agora lida com um novo alerta de terrorismo

O governo do Reino Unido anunciou, neste sábado (27), que reduziu o nível de alerta de terrorismo de crítico para severo.

Leia também: Mulher usa celular em encontro e é obrigada a pagar 'indenização' a pretendente

O alerta de terrorismo foi elevado para crítico, o que indicava uma possibilidade de ataque iminente, na última terça-feira (23), logo após o atentado que deixou 22 mortos e 116 feridos em Manchester após um show da cantora Ariana Grande, na segunda (22).

A redução do nível de alerta significa que o policiamento nas ruas britânicas será menos intenso nos próximos dias. Durante esta semana, soldados ajudaram a realizar o patrulhamento local. De acordo com May , eles saíram das ruas na próxima segunda-feira (29).

Suspeitos de participação no atentado

A polícia de Manchester anunciou, nesta sexta, a prisão de mais um suspeito de ter ajudado a realizar o atentado terrorista da última segunda.

De acordo com o jornal The Guardian , o homem preso tem 30 anos. Ao todo, oito pessoas foram presas no Reino Unido desde o dia do ataque e, entre elas, está o irmão do terrorista Salman Abedi, Ismail. O pai do autor da ação, Karam, e o irmão mais novo, Hashem, também foram detidos, mas estão em Trípoli, na Líbia.

Leia também: "Achei que ia morrer": tentativa de assalto violenta deixa idosa em coma

Até o momento, apenas duas pessoas que haviam sido presas pela polícia foram liberadas por não terem indícios de provas suficientes. Em coletiva de imprensa, as autoridades britânicas informaram que Salman Abedi fazia parte de uma "rede" de terroristas.

Ainda segundo o jornal britânico, os investigadores reconhecem que há membros dessa "rede" que estão "livres" e que as buscas continuarão até desmantelar toda a célula terrorista que existia em Manchester.

Já a revista Times  informou que Abedi estava se preparando "há um ano" para realizar o atentado e que havia criado uma conta bancária, que foi desativada, para recolher e receber dinheiro para construir o explosivo usado ao fim do show de Ariana Grande.

O atentado matou 22 pessoas - incluindo crianças e adolescentes - e deixou mais de 60 feridos , sendo que muitos ainda estão em estado grave. 

Novo show e volta à rotina

Ainda nesta sexta, Ariana Grande anunciou que voltará a Manchester , no Reino Unido, para fazer um show beneficente em prol das vítimas do ataque terrorista.

A decisão foi publicada em comunicado na conta oficial da cantora no Twitter, mas sem detalhes sobre data e local da apresentação.

"Eu vou retornar à incrivelmente corajosa cidade de Manchester para passar um tempo com meus fãs e fazer um show beneficente para arrecadar dinheiro para as vítimas e suas famílias. Eu quero agradecer meus queridos músicos e amigos que aceitaram ser parte dessa manifestação de amor por Manchester", escreveu Ariana.

Leia também: Mesmo atrasado, Trump 'empurra' presidente para aparecer na frente em foto do G7

Com a redução do nível do alerta de terrorismo, a cidade começa a retomar o seu ritmo natural, ainda traumatizada pelos recentes acontecimentos.

* Com informações da Agência Ansa.

    Leia tudo sobre: estado islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.