Tamanho do texto

FBI deve entregar compilado de documentos a comitê americano; Trump é acusado de ter compartilhado dados confidenciais com ministro russo

Donald Trump demitiu quem liderava a investigação do FBI sobre as ligações dos russos com a sua campanha presidencial
Facebook/ Donald J. Trump/ Reprodução
Donald Trump demitiu quem liderava a investigação do FBI sobre as ligações dos russos com a sua campanha presidencial

O Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos (EUA) solicitou ao FBI (Agência Federal de Investigação norte-americana), nessa terça-feira (16), todos os documentos que seu ex-diretor James Comey elaborou sobre as conversas com o presidente Donald Trump.

Leia também: Exigindo silêncio, Donald Trump ameaça ex-diretor do FBI pelo Twitter

A petição, assinada pelo presidente do comitê, o republicano Jason Chaffetz, inclui "memorandos, notas, resumos e gravações". Todos os documentos que o FBI tiver com conversas de Comey com Donald Trump devem ser entregues ao Comitê antes do dia 24 de maio.

"Se for verdade, esses memorandos apresentam dúvidas sobre se o presidente tentou influenciar ou impedir a investigação do FBI no que se refere ao general (Michael) Flynn", disse Chaffetz, em carta dirigida ao diretor interino do FBI, Andrew G. McCabe.

A solicitação foi feita após reportagem do jornal The New York Times  que revelou a existência de documentos elaborados por Comey , a fim de documentar suas conversas com Trump.

Em um desses documentos, há o pedido de Trump para que Comey encerrasse uma investigação das ligações da Rússia com seu ex-assessor de Segurança Nacional, o general aposentado Michael Flynn.

"Espero que possa deixar isso passar", disse Trump a Comey, segundo o texto divulgado pelo jornal. "É um bom sujeito", teria acrescentado o governante.

Demissão

Na semana passada, Trump demitiu James Comey , que comandava a investigação do FBI para esclarecer as ligações dos russos com a campanha presidencial de Trump, um assunto também abordado pelo Congresso.

Também na semana passada, o Comitê de Inteligência do Senado ordenou que Comey entregasse todos seus documentos relacionados com a Rússia, depois de ele se negar a colaborar com a investigação.

Putin

Ainda nesta quarta-feira (17), o presidente da Rússia , Vladimir Putin, anunciou que seu governo pode fornecer o áudio do encontro entre o chanceler russo, Sergei Lavrov, e Trump, envolvidos em um escândalo sobre troca de informações confidenciais.

"Se o governo dos Estados Unidos der sua aprovação, estamos dispostos a apresentar o registro da conversa entre Lavrov e Trump ao Senado e ao Congresso", disse Putin. "É claro, somente se o governo dos EUA quiser", completou.

Trump e Lavrov tiveram um encontro oficial em Washington há uma semana. A imprensa norte-americana acusa Trump de fornecer dados altamente confidenciais ao ministro das Relações Exteriores da Rússia. As revelações colocariam em risco o trabalho de um espião dos EUA na Síria que apura a atuação do grupo Estado Islâmico.

Leia também: Trump diz que 'tem direito' de compartilhar informações secretas com Rússia

A Casa Branca tentou conter os efeitos das revelações, que podem levar à inteligência russa a identificar os espiões norte-americanos. O caso veio à tona no mesmo momento em que Donald Trump é criticado por demitir o diretor do FBI, James Comey, responsável por investigar as relações do magnata republicano com a Rússia e as interferências de Moscou nas eleições presidenciais de 2016.

* Com informações das agências Brasil e Ansa.

    Leia tudo sobre: donald trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.