Tamanho do texto

Min Bahadur Sherchan tentava recuperar o recorde conquistado em 2008 quando morreu em acampamento; médicos suspeitam de ataque cardíaco

O alpinista nepalês Min Bahadur Sherchan, de 85 anos, morreu no acampamento base do Monte Everest ao tentar alcançar o recorde de pessoa mais velha da história a chegar ao topo da montanha, feito que ostentou entre 2008 e 2013. De acordo com relatos feitos à agência de notícias "EFE", o militar reformado morreu na tarde de sexta-feira (5) no interior de sua barraca no acampamento, que fica a 5.365 metros de altitude.

Leia também: Mais de 30 crianças morrem em acidente rodoviário na Tanzânia

Sherchan tinha chegado ao acampamento do  Monte Everest como parte de um grupo de cinco alpinistas, segundo o enviado do Departamento do Turismo do Nepal, Gyanendra Shrestha. "Há em andamento uma investigação para esclarecer as causas da morte. Os médicos suspeitam de um ataque cardíaco", disse Shrestha. O diretor da companhia contratada pelo grupo, Shiva Thapa, também confirmou a morte do alpinista.

Entre 2008 e 2013, Min Bahadur Sherchan ostentou o título de homem mais velho a chegar ao topo do Monte Everest
Reprodução/Twitter
Entre 2008 e 2013, Min Bahadur Sherchan ostentou o título de homem mais velho a chegar ao topo do Monte Everest

Leia também: Trump assina lei orçamentária e evita paralisação do governo neste ano

Em 2008, Sherchan, então com 77 anos, atingiu o recorde de alpinista mais velho a subir ao topo do Everest, façanha superada em 2013 pelo japonês Yuichiro Miura, de 80 anos. De acordo com o jornal "The Hindu", o militar já havia tentado recuperar seu título em 2015, mas não conseguiu alcançar o objetivo devido a avalanches causadas por um terremoto na região.

"Quero ser a pessoa mais velha a escalar o Everest novamente para ser uma inspiração para as pessoas ao redor do mundo", disse Sherchan um mês antes da última expedição. "Eu posso ser velho em termos de idade mas ainda tenho coragem de um jovem. Eu alcançarei o pico do Everest aconteça o que acontecer". O incidente ocorre um semana após a morte do suíço Ueli Steck, um dos alpinistas mais importantes do mundo, que caiu perto do segundo acampamento do monte.

Leia também: "Mãe de todas as bombas": Papa critica nome de explosivo dos Estados Unidos

Mais de 350 alpinistas receberam a autorização do governo do Nepal para escalar o Monte Everest nesta temporada. O número representa um recorde depois de anos de crise no setor devido ao terremoto que atingiu o país em 2015 e à avalanche que, um ano antes, matou 16 pessoas.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.