undefined
Reprodução/Twitter
Nyah James, 14 anos, cometeu suicídio porque sofria bullying; caso está sendo investigado pela polícia local

Um jovem britânico está enfrentando consequências jurídicas depois de se vingar de um grupo de garotas que, supostamente, foram responsáveis pelo bullying que, por sua vez, levou sua irmã de 14 anos a cometer suicídio. Jordan Clements, de 20 anos, culpou as meninas pela morte de Nyah James e, por isso, começou a ameaçá-las com mensagens, inclusive dizendo que "cortaria em pedaços" os pais de uma delas.

Leia também: Funcionária denuncia assédio de gerente e equipe faz "festa" para humilhá-la 

Depois que Nyah James, de 14 anos, foi encontrada morta em sua casa, em Swansea, no País de Gales, Clements culpou um grupo de garotas pelo suicídio de sua irmã. Ele passou a mandar ameaças violentas às adolescentes pelo Facebook e pelo Snapchat. 

Acusando uma das meninas de estar envolvida no bullying, o jovem disse que ela deveria “ser pendurada ao lado das vacas mortas no açougue”. “Vai brincar com vidro quebrado na sua boca”, disse a outra das garotas.

Nyah morreu em fevereiro, depois de supostamente ser vítima de bullying. O caso está sendo investigado. Culpando as adolescentes, o irmão escreveu em uma mensagem: “Eu sei o que vocês fizeram. Vocês vão se arrepender disso pelo resto de suas vidas”.

Leia também: Jogo nas redes sociais leva duas garotas a cometerem suicídio na Rússia

Processo na Justiça

Durante as investigações, foi declarado que as ameaças de Jordan estavam deixando as garotas assustadas e nervosas. Ele admitiu ser culpado por duas acusações de assédio e duas acusações de comunicação indecente ou ofensiva.

À polícia, ele afirmou ter enviado as mensagens “quando estava bravo e chateado” porque queria que as meninas sentissem o que sua irmã sentiu quando foi alvo de bullying. Entretanto, as adolescentes afirmam não ter feito nada de errado e dizem ter sentido medo de Clements.

Jordan Clements foi liberado de sentença, mas deve seguir duas condições impostas pelo juiz: o jovem não pode mais fazer uso de redes sociais e, em situação alguma, deve entrar em contato com as garotas novamente.

L eia também: Campanha contra assédio sexual no México coloca assentos com pênis no metrô 

Bullying

A mãe de Nyah James, Dominique Williams, de 46 anos, falou ao “Daily Mail” sobre o bullying sofrido por sua filha. “Eu só descobri o que estava acontecendo depois que ela morreu”, disse. “Eu sabia que ela recebia mensagens no Facebook e no Snapchat. Desde então, várias pessoas me procuraram para falar que era um alvo na escola”.

“O celular dela foi levado pela polícia, que está investigando. Quem quer que seja responsável por isso precisa perceber o que causou – nós precisamos de justiça”, falou Williams sobre o suicídio de sua filha.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários