Jovem de 18 anos sofreu assédio por dois anos e decidiu denunciar comportamento; empresa afirmou que demitiu todos os funcionários envolvidos em mensagens que depreciavam a vítima de assédio sexual

A jovem que sofreu o assédio afirmou que fica aliviada em saber sobre a demissão do gerente
Reprodução/Instagram
A jovem que sofreu o assédio afirmou que fica aliviada em saber sobre a demissão do gerente

Emily Houser é uma jovem de 18 anos da Pensilvânia, nos Estados Unidos, que, depois de dois anos sofrendo assédio sexual de seu chefe, oito anos mais velho que ela, decidiu denunciá-lo em busca de proteção da empresa. Porém, ao contrário do esperado, muitos de seus colegas demonstraram total falta de empatia e respeito, iniciando uma jornada de ódio contra ela, com direito a mensagens depreciativas nas redes sociais e até um bolo para humilhá-la.

Leia também: Padrasto estupra menina de 12 anos para que fosse "barriga de aluguel" da mãe

O caso de assédio sofrido por Emily acabou virando notícia na mídia internacional, logo depois de o “BuzzFeed News” revelar o caso. Segundo o “Metro”, Emily começou a trabalhar no restaurante Chilli quando tinha apenas 16 anos e, desde então, Josh Davidson teria iniciado os abusos: dando presentes que ela negava receber, aparecendo na casa da jovem, que mora com os pais, no meio da noite – entre outras coisas.

Assim, depois de dois anos sofrendo calada, a jovem funcionária decidiu denunciá-lo. Porém, ao invés do assediador ter sido punido com uma demissão ou suspensão, ele acabou recebendo apoio de grande parte da equipe do restaurante norte-americano. Muitos colegas acabaram dando uma festa em apoio a Davidson, com um bolo em que havia uma mensagem completamente negativa em relação à vítima.

Ao “Buzzfeed”, a jovem contou que começou a ser assediada pelo gerente assim que começou a trabalhar no local. Ele chegou, inclusive, a pedi-la em namoro em uma ocasião quando foi até sua escola – absurdo que se repetiu por algumas vezes, já que ele não pensava antes de se dirigir até sua casa em diferentes horários  do dia e da noite. “No meu aniversário de 18 anos, ele foi ao meu colégio, apareceu com diversos presentes e me pediu para ser sua namorada na frente de dezenas de pessoas. Eu disse que não queria, então ele respondeu que não se importaria em perder o emprego, já que tudo o que queria era estar comigo”, contou.

Funcionária denuncia assédio de gerente e equipe faz festa para humilhá-la
Reprodução/Instagram/Twitter
Funcionária denuncia assédio de gerente e equipe faz festa para humilhá-la

Depois de muitas tentativas frustradas de aproximação, o gerente de 25 anos começou a usar de violência verbal contra a colega no ambiente de trabalho. Emily afirmou que não havia percebido o quanto ele era abusivo até que ele começou a assediar outra funcionária do restaurante.

Leia também: Campanha contra assédio sexual no México coloca assentos com pênis no metrô

Assim, ela decidiu reportar seu comportamento com a área de Recursos Humanos. Depois de uma investigação interna, o Chillis afirma que decidiu mudar o funcionário denunciado para outra sede do restaurante. A festa “contra Emily” aconteceu depois do anúncio da transferência de Davidson.

Além do bolo, mensagens foram publicadas junto de fotos do evento em que os apoiadores do assediador escreviam contra a vítima, usando a hashtag “Team Josh” (Time do Josh, em tradução livre).

Restaurante afirmou que já puniu todos os envolvidos em caso de assédio sexual contra funcionária
Reprodução/Google Maps
Restaurante afirmou que já puniu todos os envolvidos em caso de assédio sexual contra funcionária

Depois da reportagem feita pelos sites locais – e internacionais, todos os funcionários da empresa que haviam compartilhado a foto do bolo acabaram apagando a publicação. Segundo o restaurante, todos foram desligados da empresa após a ocorrência.

Leia também: Inglesa é condenada a sete anos de prisão por fazer sexo grupal com menores

A jovem que sofreu o assédio afirmou que fica aliviada em saber sobre a demissão do gerente, além de dizer que espera que os colegas percebam o quanto suas ações foram prejudiciais. “Não quero nenhum ganho pessoal com isso. Só desejo que as pessoas envolvidas compreendam o que estão fazendo e o que fizeram a uma pessoa. Espero que eles parem, porque esse é o tipo de atitude que levam suas vítimas a cometerem atitudes drásticas consigo mesmas”, finalizou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.