Tamanho do texto

Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, participou nesta segunda-feira (10) de reunião com o secretário-geral da OEA, Luis Almagro

Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) tomou posse no Palácio do Itamaraty no dia 7 de março no lugar de José Serra
Pedro França/Agência Senado - 19.2.2014
Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) tomou posse no Palácio do Itamaraty no dia 7 de março no lugar de José Serra

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, defendeu nesta segunda-feira (10) a confirmação do calendário eleitoral na Venezuela para que o país garanta o "restabelecimento pleno da democracia".  A declaração foi dada pelo chefe do Palácio do Itamaraty após reunião com o secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Almagro, na qual não descartou uma "avaliação coletiva" da crise venezuelana pelos países do órgão.

Leia também: Mercosul exige que Venezuela adote medidas concretas de separação de poderes

"O Brasil apoia o diálogo político nacional, um diálogo que seja inclusivo, leal e eficaz. E que garanta o pleno restabelecimento da democracia, a separação dos poderes e o Estado de Direito. Insistimos na urgência da confirmação do calendário eleitoral. O povo precisa falar, e a voz do povo é um elemento central na solução da crise venezuelana", disse Nunes, a respeito do posicionamento do Itamaraty diante da situação no país latino-americano.

O encontro entre o chanceler brasileiro e o secretário da OEA ocorreu na manhã de hoje em Brasília. Em declaração à imprensa, Aloysio Nunes lembrou que o governo brasileiro tem insistido na oferta de ajuda humanitária ao país vizinho, o que poderia "minorar o sofrimento por que passa o povo venezuelano com a falta de alimentos e de remédios".

No dia 1º de abril, após fortes críticas da comunidade internacional, o TSJ (Tribunal Superior de Justiça) da Venezuela revogou a sentença que vetava os poderes do Parlamento  do país. A decisão foi tomada depois de o presidente Nicolás Maduro solicitar que a medida fosse revista pelo Judiciário.

Novas eleições

O secretário-geral da OEA afirma que a redemocratização na Venezuela somente ocorrerá com a entrega do poder ao "verdadeiro soberano, que é o povo". "A única saída da crise institucional e política é com eleições, com um cronograma eleitoral que permita ao povo soberano decidir seu futuro", afirmou.

Leia também: Ministro do Interior é demitido após morte de manifestante no Paraguai

Almagro afirmou também, após a reunião no Palácio do Itamaraty, que "cada artigo da Carta Democrática Interamericana foi afetado pela situação atual da Venezuela”. E citou como exemplos a persistência de presos políticos, a crise humanitária, que, segundo ele, "tem afetado direitos sociais básicos da população", a falta da separação de poderes e o não reconhecimento da Assembleia Nacional.


* Com informações da Agência Brasil