Tamanho do texto

Operação para rebocar os destroços foram iniciadas no último dia 23 de março. Três anos depois da tragédia, nove vítimas continuam desaparecidas

O acidente com o ferry aconteceu no dia 16 de abril de 2014, e nove vítimas ainda continuam desaparecidas
Reprodução/Korea Joongang Daily
O acidente com o ferry aconteceu no dia 16 de abril de 2014, e nove vítimas ainda continuam desaparecidas

As autoridades sul-coreanas encontraram restos mortais nos destroços do ferry Sewol, que naufragou em abril de 2014, deixando mais de 300 mortos. A balsa foi retirada do fundo do mar no último dia 23 de março, quase três anos após a tragédia.

Leia também: Nem é preciso andar até a estação! Trem passa por dentro de prédio na China

Segundo as informações das autoridades, os restos mortais estariam em uma das cabines de passageiros do ferry Sewol , provavelmente pertencentes às nove vítimas que ainda estão desaparecidas. Teriam sido achados na embarcação pedaços de ossos humanos de diversos tamanhos, e deverão passar por análise de médicos legistas.

A operação para rebocar a balsa até o porto de Mokpo teve início no último dia 23 de março.

O acidente

Considerada a maior tragédia marítima da história da Coreia do Sul, o naufrágio do MV Sewol matou 304 pessoas, sendo a maioria estudantes que estavam fazendo um passeio escolar realizado pela Escola Secundária Danwon, em Ansan, cidade próxima de Seul. A embarcação afundou às 8h58 locais, enquanto transportava 476 passageiros, com destino à ilha de Jeju.

Leia também: Governo do Canadá pretende legalizar a maconha até julho de 2018

A Guarda Costeira sul-coreana, navios e helicópteros de resgate só conseguiram chegar ao local cerca de meia hora depois do acidente. Segundo passageiros sobreviventes relataram, os tripulantes instruíram para que todos permanecessem sentados após a balsa começar a adernar. Além disso, foi relatado que a água estava muito gelada no dia do incidente.

Segundo a Guarda Costeira da Coreia do Sul, a causa do naufrágio teria sido a mudança subida de direção e o deslocamento da carga para apenas um lado da embarcação. Porém, há controvérsias acerca disso. Acredita-se que a embarcação levava o dobro da carga permitida e que houve erros humanos durante o processo de evacuação.

Leia também: Vale mais de R$ 13 milhões: moeda de ouro puro de 100 kg é roubada de museu

O comandante da balsa, Lee Joon-seok, foi condenado em segunda instância à prisão perpétua por homicídio, negligência e abandono de navio. Ele foi flagrado deixando a embarcação enquanto centenas de passageiros permaneciam dentro da balsa. Além dele, outros 14 tripulantes foram sentenciados a penas que mudam entre 18 meses e 12 anos de reclusão.

O acidente com o ferry Sewol aconteceu no dia 16 de abril de 2014.

 *As informações são da Agência ANSA

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.