Inocentado pelas acusações de estupro de Hannah Stubbs, Elgan Varney pede anonimato para todos na mesma situação
Reprodução/Twitter
Inocentado pelas acusações de estupro de Hannah Stubbs, Elgan Varney pede anonimato para todos na mesma situação



Elgan Varney, de 33 anos, foi acusado de estupro após o suicídio de uma colega da faculdade que teria sido abusada sexualmente. Porém, a promotoria não conseguiu provas suficientes para sustentar o julgamento e, assim, acabou inocentando-o. Descrevendo o período de investigação como uma “experiência terrível”, o britânico pede agora que todos os acusados de crimes sexuais sejam tratados em anonimato.

Leia também: Russo decapita amigo que abusou de sua namorada e entrega a cabeça "de presente"

Ele e a vítima estudavam juntos e cursavam fisioterapia na Universidade de Keele, na Inglaterra. Três anos depois de ser acusado pelo estupro de Hannah Stubbs, de 22 anos, em 2014, Varney contou como se sentiu extremamente "injustiçado" e questiona o "timing" dos promotores, que retiraram as acusações contra ele apenas quatro dias do início de seu julgamento. 

“Esse não é um momento de comemoração para mim – eu simplesmente nunca deveria ter sido acusado”, disse em declaração.

Stubbs se suicidou em agosto de 2015, enquanto a polícia investigava suas alegações de que teria sido estuprada. Ela foi encontrada por seus pais na casa de campo da família, seis meses depois do ataque.

Você viu?

De acordo com a mãe da jovem, ela lutava contra a depressão há algum tempo quando decidiu tirar sua própria vida. “Nós queríamos dar o mundo a ela, mas agora Deus a deu o céu”, escreveu a mãe em depoimento no Facebook.

Leia também: Multada por "fazer a polícia perder tempo", jovem assediada é morta por ex

“Infelizmente nunca vou saber o motivo exato pelo qual Hannah agiu dessa forma. Minha raiva e frustração é direcionada à polícia e à promotoria, que desde o começo da investigação tinham provas suficientes para estabelecer que nenhum crime foi cometido”, completou.

O acusado descreveu todo o processo como “terrivelmente perturbador e angustiante” para todos os envolvidos. Agora, ele pede que a lei seja alterada para oferecer anonimato a todos aqueles que foram acusados, mas inocentados de crimes sexuais.

“Eu acredito completamente que todas as alegações de crime sexual devem ser investigadas de forma justa e equilibrada e que agressores devem encarar a Justiça, mas no cenário atual é muito fácil para pessoas inocentes serem acusadas falsamente”, disse.

“A polícia e a promotoria não oferecem proteção àqueles que foram acusados erroneamente e muitas vidas são deixadas em pedaços. É um problema que precisa ser reconhecido e não ignorado por medo de levar vítimas genuínas a deixarem de reportar o crime”.

Leia também: "Não suporto mais sentir dor": vítima de estupro tem pele do rosto descolada

Varney afirmou que existe um “estigma terrível” ao redor de acusações de crimes sexuais e que o impacto de ter seu nome na mídia, ligado a um caso de estupro apesar de sua inocência, tem sido um pesadelo. “Você nunca consegue realmente seguir em frente quando seu histórico está a um clique de distância no Google”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários