Tamanho do texto

A polícia da Filadélfia tenta descobrir responsáveis pela depredação de centenas de lápides em cemitério. Ainda não se sabe motivação do crime

O vandalismo no cemitério judaico chocou a cidade, especialmente porque acontece em uma semana
Reprodução/Twitter
O vandalismo no cemitério judaico chocou a cidade, especialmente porque acontece em uma semana

A polícia da Filadélfia, nos Estados Unidos, está tentando determinar quem vandalizou um cemitério judaico durante o último fim de semana. Pelo menos 75 dos 100 túmulos foram revirados e danificados na noite do sábado (25) no cemitério Mt. Carmel, na vizinhança de Wissinoming.

Leia também: Para 'ser acessível ao povo', Trump vai a clube com mensalidade de R$ 620 mil

O incidente no cemitério judaico foi classificado como um ato de “vandalismo institucional”, mas os investigadores ainda não estabeleceram uma motivação para o crime, segundo afirmou o detetive da divisão nordeste da polícia, Jim McReynolds.

Ao que tudo indica, a depredação foi focada apenas em tumbas judaicas, uma vez que nenhuma destruição foi encontrada nos três cemitérios cristãos da região, disse ele. "Tanto quanto sabemos, é limitado ao cemitério judeu", completou.

O rabino Shawn Zevit, da Sinagoga Mishkan Shalom, afirmou que ele e um membro de sua congregação foram ao cemitério e contaram "algumas centenas" de lápides derrubadas.

Duas semanas atrás, dezenas de lápides foram danificadas em um campo-santo católico em Filadélfia, de acordo com a porta-voz da Prefeitura da cidade, Lauren Hitt. Contudo, a destruição no Cemitério Católico do Santo Redentor não parecia visar um grupo específico de pessoas, e a investigação sobre esse caso está em andamento, disse.

“Lugar sagrado”

O vandalismo neste cemitério judaico chocou a cidade, especialmente porque acontece em menos de uma semana após evento similar em outro de St. Louis, afirmou Nancy Baron-Baer.

“Uma pedra em um campo-santo já é algo demais. Nós estamos falando de centenas em uma semana”, disse.

Leia também: Trump anula norma que permitia transgênero escolher banheiro nas escolas dos EUA

Autoridades estão oferecendo uma quantia de US$ 10 mil por informações para a prisão dos responsáveis. A Ordem Fraternal da Loja de Polícia No. 5 também apresentou uma recompensa de US$ 3 mil para o mesmo propósito.

A CEO da Federação Judaica de Filadélfia, Naomi Adler, disse que o local atacado neste fim de semana data por volta de 1890. Uma vez que o dano for avaliado, a federação irá organizar um esforço de limpeza, de acordo com ela. "Talvez nunca saibamos se este foi um ato antissemita, mas é uma profanação de um local sagrado", disse Adler.

Ato solidário

Dois ativistas muçulmanos abriram uma arrecadação coletiva online para a reparação de lápides vandalizadas no cemitério judaico em Saint Louis , nos Estados Unidos. A ação teve início na terça-feira (21) e arrecadou US$ 80 mil (R$ 24 mil) em apenas 24 horas. Quando quase 200 lápides amanheceram depredadas no cemitério Chesed Shel Emeth, os americanos muçulmanos ativistas Linda Sarsour e Tarek El-Messidi decidiram reagir em solidariedade à comunidade judaico-americana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.