Tamanho do texto

Vinte anos após o ocorrido, o ex-casal de namorados decidiu escrever um livro contando o papel que a agressão sexual desempenhou em suas vidas

Aos 16 anos, Thordis namorava Tom, mas o romance adolescente se transformou em um trauma por causa de estupro
Reprodução/TED
Aos 16 anos, Thordis namorava Tom, mas o romance adolescente se transformou em um trauma por causa de estupro

Uma vítima de estupro e seu agressor se reuniram 20 anos depois do ataque para contar sua história. A islandesa Thordis Elva tinha 16 anos quando Tom Stranger, um estudante de intercâmbio australiano de 18 anos - e seu namorado na época, a estuprou, em 1996.

LEIA MAIS: Soldado é preso por pagar R$ 200 para assistir ao estupro de menino de três anos

Passados tantos anos da agressão, os dois se reuniram para escrever um livro sobre o estupro e compartilhar suas experiências relativas ao ocorrido em uma palestra para a plataforma "TED". No vídeo de 19 minutos disponível no site da organização, eles contam como foram impactados por este acontecimento.

Na época, o jovem casal namorava há mais ou menos um mês. Era o baile de Natal da escola que frequentavam e Thordis havia experimentado rum pela primeira vez. Ela se lembra do que sentiu conforme ele a colocava para dormir. “Era como um conto de fadas, seus braços fortes ao redor do meu corpo, me deitando na segurança da minha cama”, conta.

Entretanto, o conto de fadas logo se tornou uma história de terror conforme ele começou a tirar as roupas da garota e se colocou em cima dela. “Meu pensamento estava mais claro, mas meu corpo ainda estava fraco demais para lutar, e a dor era tão forte. Eu achei que fosse ser rasgada ao meio”, relembrou. “Para me manter sã, eu contei silenciosamente os segundos no meu relógio de cabeceira. Desde aquela noite eu sei que tem 7.200 segundos em duas horas”.

LEIA MAIS: "Viciado em masturbação", português é deportado por ato em público na Inglaterra

Seu ex-namorado, Tom, não sabia definir o que havia acontecido. “Eu tenho memórias vagas do dia seguinte. Os efeitos da bebida, um certo vazio que tentei ignorar. Mais nada. Mas eu não apareci na porta da Thordis. É importante declarar agora que eu não via meu feito como o que ele foi”.

“Para ser sincero, eu repudiei todo o ato nos dias que seguiram e enquanto o cometia. Eu evitei a verdade ao me convencer que foi sexo e não, estupro. E essa é uma mentira pela qual eu senti enorme culpa”, declarou Tom.

O casal terminou dias depois e Tom voltou para a Austrália. Thordis relutou para aceitar que havia sido estuprada. “Eu fui criada em um mundo no qual meninas são estupradas por algum motivo. Sua saia muito curta, seu sorriso muito largo, seu hálito cheirando a álcool. E eu era culpada de todas essas coisas, então a vergonha deveria ser minha”.

LEIA MAIS: Suecos são presos após transmitirem estupro coletivo ao vivo pelo Facebook

Hoje, eles se uniram para mostrar que a culpa nunca é da vítima. “Muitas vezes a responsabilidade é atribuída a mulheres que sobreviveram a ataques sexuais e não aos homens que as atacaram”, disse Tom. “Já está na hora de pararmos de tratar violência sexual como um problema das mulheres”, completou Thordis.

Intitulado “South of Forgiveness”, o livro escrito pelo par sobre a experiência do estupro tem lançamento marcado para março. A obra pode ser reservada em alguns países europeus e na Austrália e não tem previsão de venda em outros lugares.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.