Prédio do Inep, órgão responsável pelo Enem
Reprodução/Inep
Prédio do Inep, órgão responsável pelo Enem

Uma diretora de uma escola estadual, onde o Enem será realizado, em São Paulo, denunciou, nesta sexta-feira (19), que foi exigida a retirada de duas professoras da listagem original de aplicadores da prova, para darem lugar a dois policiais. Na sua conta do Twitter, Hélida Lança, que também é professora na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (Feusp), informou que a comunicação veio por meio da Fundação Cesgranrio, organizadora do exame. Em uma outra postagem, a diretora informou que o motivo da troca seria uma avaliação da Polícia Federal, que não teria aprovado as professoras.

As postagens foram publicadas na noite desta sexta. Primeiro, ela disse que "uma pessoa da Cesgranrio mandou mensagem, informando que é pra gente retirar dois aplicadores da lista, que entrarão dois policiais federais no lugar. Tá bom pra vocês?". Em seguida, chegou a postar uma atualização, em que levantava a possibilidade da denúncia ter surtido efeito, e evitado a necessidade de troca: " Escutei muito bem o aviso inicial, mas agora estão dizendo que não será bem assim. Se a minha denúncia serviu pra mudarem o rumo das coisas, então viva!".

Numa nova atualização, porém, ela transmitiu a versão que teria sido lhe dada, pela Fundação Cesgranrio: "na verdade, as duas profs foram tiradas porque não passaram pela avaliação da Pol Federal, em razão de terem sido alocadas por último". A partir deste ano a PF avalia fichas dos aplicadores (???!!!) É eita atrás de eita!"

Por fim, a diretora Hélida Lança agradeceu a solidariedade recebida após a postagem, que já teve 17 mil curtidas e quatro mil compartilhamentos. Numa outra publicação, na manhã deste sábado, a professora se posicionou sobre p Enem 2021: "As vagas na universidade pública devem ser ocupadas. Toda essa turbulência também é uma estratégia pra que os jovens desanimem e acabem desistindo. Está bacana o ENEM? Não. Vamos desistir em razão disso? TAMBÉM NÃO."

Edição do Enem marcada por polêmicas

Há duas semanas, 37 servidores do Inep pediram exoneração, alegando "fragilidade técnica e administrativa da atual gestão", além de acusarem o presidente do instituto, Danilo Dupas, de assédio moral e interferências políticas na organização das provas. Alguns dos funcionários chegaram a denunciar a entrada de um agente da Polícia Federal a uma área restrita do Inep com pedidos de mudanças em perguntas que tratavam da "história recente do país".

Nesta sexta, a Associação dos Servidores do Inep (Assinep) acusou o governo Bolsonaro de "censurar" a publicação de um artigo científico que mostrava a evolução nos indicadores de alfabetismo no país em função do Pnaic (Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa), um programa do primeiro mandato do governo Dilma Roussef.

Leia Também

Na terça, Milton Ribeiro, ministro da Educação, negou denúncias de interferência política na elaboração da prova do Enem e atribuiu a crise interna no Inep a uma "questão administrativa, de pagamento ou não de gratificação". Mas, em uma assembleia no começo do mês, funcionários também destacaram que há indícios de que processos sejam deletados do Sistema Eletrônico de Informações (SEI), onde são registrados todos os andamentos administrativos feitos pelos órgãos públicos.

Falhas durante o governo Bolsonaro

A aplicação do Enem tem apresentado problemas sistematicamente durante a gestão Jair Bolsonaro. No primeiro ano, o exame teve o maior erro de correção da história do Enem. Foram identificados problemas em 5.974 provas – 96,7% estavam concentrados em 4 cidades: Alagoinhas (BA); Viçosa (MG); Ituiutaba (MG) e Iturama (MG).

No ano passado, o exame teve o maior número de abstenções da história. O índice alcançou a casa de 55,3% dos inscritos com a prova realizada no meio da pandemia. O registro de 29.555 mortes daquele mês só não ultrapassava os picos de junho e julho de 2020, com 31.627 mortes . O mês foi também o maior em número de novos casos, com 1.386.005 pessoas contaminadas pela Covid no país.

Por fim, o exame que começará a ser aplicado no próximo dia 21 já teve o menor número de inscritos da história. O MEC não havia autorizado a inscrição gratuita a quem faltou ao último exame, de 2020, por causa da pandemia de coronavírus.

Com isso, o Enem deste ano teria apenas 3,1 milhões de candidatos, o menor número desde 2005. Entidades civis, como a Educafro, entraram na Justiça e conseguiram a reabertura das inscrições para garantir a isenção a quem faltou no ano anterior, o que conseguiu mais 300 mil participantes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários