Bruno Covas
Reprodução
De acordo com prefeito de São Paulo, aumento de internações não exige alterações no plano de retomada das aulas presenciais

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (19) que não pretende ampliar a liberação do que diz respeito à educação no estado, porém nenhuma regressão no plano será aplicada por enquanto. "Nós vamos continuar no mesmo estágio, com as mesmas atividades abertas e os mesmos protocolos a serem respeitados", disse Covas.

A decisão foi motivada pelo  aumento de 18% no número de internações para tratamento da Covid-19 na capital. Desde o início de novembro, os estudantes do ensino médio das escolas públicas e privadas estão autorizados a participarem integralmente das aulas presenciais na capital. Os alunos do ensino fundamental e infantil, porém, podem comparacer à escola para atividades extracurriculares e de reforço.

O prefeito atribui o aumento na ocupação de leitos de UTI para Covid-19 ao maior fluxo de jovens, redução de leitos dedicados ao tratamento da doença e aumento de pacientes de fora da cidade de São Paulo.

"É importante mencionarmos que a pandemia continua a existir e ser um desafio. Nós vamos continuar a priorizar a proteção da vida na cidade, mas não há espaço para nenhum discurso extremista. É preciso manter os cuidados, como também não há nenhum número que indique a necessidade de lockdown", defendeu Covas.

De acordo com o governo de São Paulo, existem 83 unidades educacionais da rede pública municipal abertas para atividades extracurriculares. Além disso, nove escolas de ensino médio seguem abertas na capital.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários