mão em tecçado
Rafael Neddermeyer/fotos públicas
Aulas serão feitas por EAD

Sem previsão de reabertura das escolas, a Secretaria de Educação do Estado do Rio firmou uma parceria com o Google para que os alunos da rede tenham aulas à distancia. Segundo o secretário de educação Pedro Fernandes, os alunos só retornarão para as salas de aula após a Secretaria Estadual de Saúde considerar que é seguro. Para os alunos que não tiverem acesso à internet, a Seeduc distribuirá um material impresso e, no retorno, eles irão passar pelo reforço escolar.

Para os professores que não possuem as ferramentas necessárias, o Estado avalia abrir pontualmente alguma escola que possua os equipamentos. Também serão usados links "patrocinados" para que os alunos acessem a plataforma sem gastar a internet de casa ou do celular.

Leia também: Estado do Rio tem 10 mortes sob investigação por coronavírus

O site já é usado por algumas escolas particulares do Rio e simula uma sala de aula virtual onde é possível, por exemplo, que o professor passe tarefas e as corrija. A medida foi tomada após o Ministério da Educação autorizar a substituição das aulas presenciais até o fim dos problemas causados pelo coronavirus. A intenção da Seeduc é proporcionar, apesar do Estado de Calamidade decretado pelo presidente Jair Bolsonaro, os 200 dias letivos no ano exigidos pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

"Não tem como dar uma previsão de quando as aulas presenciais voltarão. Só a secretaria de Saúde poderá dizer e só retornaremos quando eles falarem que há segurança. Estamos buscando também uma parceria com a plataforma para as escolas particulares. Serão tempos difíceis, mas iremos minimizar ao máximo o dano na educação. Nada substituiu o professor na sala de aula", afirmou Pedro Fernandes em uma rede social.

Leia também: Coronavírus: Polícia Militar do Rio atua no 'cordão de isolamento sanitário'

O secretário ainda afirmou que ainda serão analisadas como as avaliações serão realizadas, e que isso depende o quanto tempo as aulas presenciais ficarão suspensas. A Seeduc também está avaliando uma maneira de levar a alimentação para as crianças que dependem da merenda escolar para se alimentar.

"Estamos ainda estudando essa possibilidade, quais são esses alunos para levar o alimento as famílias mais carentes, em especial aquelas atendidas pelo Bolsa Família. Queremos usar o nosso recurso da alimentação" .


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários