Tamanho do texto

Convênio do Inpe permite que estudantes brasileiros usem a nota do exame para ingressar em ao menos 42 instituições de ensino superior do país

Fachada da Universidade de Coimbra, primeira a aceitar o Enem arrow-options
Wikimedia Commons
A Universidade de Coimbra foi a primeira a firmar o acordo com o Inep

O Enem é hoje um dos principais meios de acesso ao ensino superior em todo o Brasil. Mas o que ainda é pouco divulgado é que a nota do exame pode ser usada também para cursar a universidade fora do País. Ao menos 42 instituições portuguesas já aceitam o resultado da prova na sua seleção para os cursos de graduação e o exame também pode servir como porta de entrada para a faculdade em outros países.

Leia também: Escolas que não focam no Enem mostram que educação alternativa é possível

De acordo com o Ministério da Educação, mais de 1,2 mil brasileiros já usaram o Enem para ingressar no ensino superior em instituições portuguesas desde 2014, quando foi firmado o acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Nesta época, algumas instituições já aceitavam os resultados do Enem em seus processos seletivos. Segundo o instituto, a formalização dos acordos busca ampliar as possibilidades de intercâmbio educacional.

A primeira faculdade portuguesa a adotar o convênio foi a quase milenar Universidade de Coimbra, que renovou o acordo este ano. Outras universidades que aceitam estudantes brasileiros por meio do Enem são a Universidade de Lisboa, Universidade do Algarve, Instituto Politécnico do Cávado e do Avre (IPCA) e Instituto Politécnico de Leiria. A lista completa está no site do Inep .

Para o presidente do Inep , Alexandre Lopes, “esse tipo de convênio é uma forma de facilitar o acesso dos estudantes brasileiros às instituições internacionais”. Nos próximos anos, o acordo pode ainda ser estendido para outros países. “Iniciamos as tratativas com a Embaixada da Espanha para que as instituições de ensino superior espanholas também aceitem o Enem como prova de acesso”, afirmou Lopes.

Como ingressar no ensino superior português

Segundo o Inep, o acordo de cooperação funciona como um facilitador para que as informações dos estudantes seja diretamente enviada para as universidades conveniadas. 

As regras para formalizar a candidatura, no entanto, variam de acordo com cada instituição, então o ideal é que o candidato se informe sobre prazos e documentos necessários direto na página da universidade pela qual se interessa.

Algumas instituições podem adotar pesos diferentes para cada curso. Na Universidade de Coimbra , por exemplo, a pontuação mínima de candidatura para cada curso de graduação é 120 na escala portuguesa, que vai de 0 a 200. Isso é equivalente a 600 na escala do exame brasileiro.

Leia também: Enem na boca dos governantes: o que Bolsonaro e ministros disseram sobre a prova

Quais os custos de estudar em Portugal

É importante lembrar ainda que os convênios dão direito apenas à vaga na universidade portuguesa. O governo brasileiro não tem nenhum programa de transferência de recursos ou financiamento específico para os estudantes que optarem por ir a Portugal.

Em Portugal, mesmo as universidades públicas podem ter taxas de matrícula e mensalidade. É possível que os estudantes consigam isenções e bolsas fornecidas pela própria faculdade, mas há que se considerar também os custos do visto de estudante da vida fora do País.

Além de Portugal

Além das universidades que têm convênio com o Inep, outras instituições estrangeiras também aceitam a nota do exame como parte do processo de admissão. Nestes casos, o Enem costuma servir como substituto de provas similares dos países de origem, por exemplo. Segundo o portal Estudar Fora, da Fundação Estudar, é comum que as universidades não conveniadas exijam um teste de proficiência do idioma do país. 

O Enem já é aceito nas universidades de Oxford e Bristol e na Kingston University, na Inglaterra. Outras instituições que aceitam o Enem em seus processos são, nos Estados Unidos, a New York University, em Nova York, no Canadá, a Universidade de Toronto e, na Irlanda, a University College Cork, entre outras.

Leia também: Especialistas dão dicas de como se preparar para a redação do Enem

Em todos os casos, a revalidação do diploma para o exercício profissional no Brasil pode ser necessária, dependendo do curso. Portanto, antes de tomar uma decisão, é importante conferir as regras.

    Leia tudo sobre: Enem