Tamanho do texto

Abraham Weintraub escreveu "paralização" e "suspenção" ao pedir recursos ao ministro da Economia Paulo Guedes; verbas para 2020 são insuficientes

Weintraub arrow-options
Jorge William/Agência O Globo
Ministro da Educação, Abraham Weintraub

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, enviou um documento com erros de português ao ministro da Economia, Paulo Guedes, pedindo mais recursos para sua pasta. No texto, Weintraub explica que as verbas previstas para a Educação em 2020 são insuficientes e alerta para o risco de "paralização". O ministro também cita "suspenção" de pagamentos. A grafia correta das palavras é paralisação e suspensão.

Leia também: Weintraub afirma que Future-se não vai interferir na autonomia das universidades

Weintraub afirma no documento, de oito páginas, que o orçamento previsto, de R$ 16,2 bilhões, é menor do que o necessário para a manutenção das atividades da pasta, e pede um acréscimo de R$ 9,8 bilhões. O ministro explica que, sem esse aumento, "38% das despesas discricionárias essenciais às políticas educacionais do país ficariam sem cobertura orçamentária no próximo exercício."

No ofício, o ministério detalha quais atividades podem ser paralisadas, caso não haja aumento de verbas previstas. Entre elas estão obras da Educação Básica, Programas de Bolsa-Permanência e Bolsa Prouni, Custeio das Universidades e Institutos e Concessão de Bolsas de Estudos no Ensino Superior.

O Programa Nacional das Escolas de Gestão Cívico-Militar, uma bandeira do governo Bolsonaro, também estaria em risco com o atual orçamento previsto, de acordo com o ministro da Educação. Procurado pelo Globo , o ministério da Educação não respondeu até a publicação desta matéria.