Tamanho do texto

Um dia após ser criticado por explicação sobre ações em universidades federais usando chocolates como exemplo, Abraham Weintraub gravou vídeo explicando que não fará cortes, mas contingenciamento

Abraham Weintraub
Luís Fortes/MEC
Ministro da Educação gravou vídeo para explicar diferença entre cortes e contingenciamento


O ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou o seu perfil no Twitter nesta sexta-feira (10) para tentar se defender das crítics que vem recebendo por medidas que diminuem as verbas repassadas pelo governo às universidades federais. Na explicação, o ministro acusa a mídia de confundir os brasileiros e afirma que o que fará será um contingenciamento e não um corte.

Leia também: Renan Calheiros compara corte de verbas de Bolsonaro a estratégia nazista

Na live de quinta-feira (9) do presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Educação tentou explicar o corte usando chocolates como exemplo e acabou criticado por, supostamente, errar a conta.


Em nota nesta sexta-feira, o MEC afirma que o bloqueio total nas universidades federais foi de 3,4% e não de 30%, como noticiado.

"O bloqueio orçamentário nas Universidades, como explicado anteriormente, não incluiu as despesas para pagamento de salários de professores, outros servidores, inativos e pensionistas, benefícios, assistência estudantil, emendas parlamentares impositivas e receitas próprias", diz a nota.

A postagem do ministro da Educação foi repostada pelo presidente Jair Bolsonaro, que ainda acusou a imprensa de cometer fake news sobre o bloqueio orçamentário nas universidades federais.