Tamanho do texto

Garota sabe escrever em inglês e consegue reproduzir algumas palavras do mandarim; "Eu nunca ouvi ela dizer: 'Eu não posso'", afirmou sua professora

Menina chinesa sem mãos
Arquivo pessoal/Cathryn Hinesley
Prêmio de caligrafia concedido à estudante é entregue anualmente nos Estados Unidos

Uma menina que nasceu sem as duas mãos ganhou, aos 10 anos de idade, uma competição nacional de caligrafia nos Estados Unidos. Sara Hinesley nasceu na China, mas vive em terras norte-americanas há quatro anos.

Leia também: MEC prepara material para explicar nova política de alfabetização

A garota chinesa – que não só escreve, como pinta, esculpe e desenha – ganhou o prêmio Nicholas Maxim de 2019 por sua caligrafia neste fim de semana. Hoje, ela é aluna do terceiro ano do ensino fundamental na Escola Católica Regional St. John, em Frederick, Maryland, nos Estados Unidos.

De acordo com o The Washington Post , que divulgou a notícia neste domingo (21), Sara aprendeu a escreveu com a letra cursiva neste ano. Quando o fez pela primeira vez, Sara afirmou que "até que era fácil" escrever desse jeito. Hoje, ela sabe escrever em inglês e algumas palavras em mandarim.

"Eu nunca ouvi essa menininha dizer: 'Eu não posso'", disse Cheryl Churilla, professora da terceira série, na escola em que Sara estuda, em Maryland.

O prêmio concedido à garota é entregue anualmente nos Estados Unidos a dois alunos com necessidades especiais. Um dos prêmios é dado para redação impressa e o outro para roteiro.

Leia também: Ingresso de indígenas em faculdades cresce nove vezes em sete anos

"Sara nunca usou uma prótese. Quando ela recebe ajuda ou uma ferramenta que pode facilitar algumas tarefas – como cortar papel com uma tesoura – ela rejeita", disse a mãe da aluna, Cathryn Hinesley.

"Ela tem esse lado independente, sabe que pode fazer isso e descobrir o seu próprio caminho", continuou. "Ela é linda, forte e poderosa do jeito que é, e vive dessa maneira", conclui a mãe de Sara, orgulhosa.

Na hora de escrever, a garota pega o lápis com os braços e se concentra nas formas das letras, cada ponto e cada curva. Para ela, escrever em letra cursiva a faz sentir que está criando obras de arte. "Eu gosto da maneira como as letras são formadas. É como arte", afirma.

"Sara é um testemunho da perseverança e do espírito humano", diz sua mãe. "Todo dia eu fico impressionada com as coisas que ela é capaz de fazer e que ela escolhe fazer. Ela não tenta encontrar o caminho para evitar um obstáculo, ela encontra uma maneira de completar a tarefa", afirma.

Leia também: Militar ex-número dois do MEC é demitido por novo ministro após 21 dias no cargo

O prêmio recebido por Sara será entregue no dia 13 de junho, durante uma celebração nacional. Além de um troféu de caligrafia , a menina vai ganhar 500 dólares, o que equivale a cerca de R$ 2 mil. Sara é a primeira aluna da escola a receber o prêmio Nicholas Maxim.