Tamanho do texto

Aulas no contra turno escolar oferecerão vivência universitária para 30 mil alunos; programa também visa diminuir evasão e aumentar rendimento

João Doria e o vice-governador Rodrigo Garcia lançaram o programa Educa SP nesta sexta-feira (22)
Gilberto Marques/Governo de São Paulo
João Doria e o vice-governador Rodrigo Garcia lançaram o programa Educa SP nesta sexta-feira (22)

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou nesta sexta-feira (22) que alunos do ensino médio da rede estadual de ensino poderão fazer cursos complementares em universidades públicas e privadas em todo o estado. O projeto, chamado pelo governador de 'Corujão da Educação', faz parte do programa Educa SP, lançado nesta tarde.

Leia também: Governo vai criar comissão para revisar suposta "ideologia de gênero" no Enem

Nesta fase de projeto-piloto, serão atendido 30 mil estudantes. De acordo com João Doria , os alunos frequentarão aulas no contra turno escolar e, dessa forma, poderão ter uma vivência da universidade.

“O nosso programa começa no mês de maio nas universidades de São Paulo. De certa forma, é um ‘ Corujão da Educação ’, porque ele vai ocupar os horários disponíveis nas salas de aula de universidades, garantindo com isso melhor qualidade de ensino e principalmente uma motivação adicional para os alunos da rede do ensino médio”, disse Doria em coletiva de imprensa.

Leia também: ProUni divulga resultado da segunda chamada; veja como realizar a matrícula

De acordo com a Secretaria Estadual da Educação, o objetivo é ofertar conteúdos que deem sentido à trajetória dos alunos e, ao mesmo tempo, fornecer uma amostra da vida universitária. Com o Educa SP , a pasta também espera reduzir os índices de evasão e abandono do Ensino Médio, além de aumentar o rendimento dos estudantes.

Os cursos terão duração de 200 horas e estarão em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). As atividades serão ministradas nas instituições de ensino superior no contra turno escolar dos alunos das escolas estaduais de São Paulo.

As atividades extracurriculares serão propostas pelas próprias universidades que queiram se conveniar e passarão por uma avaliação da Secretaria de Educação. O chamamento público para as universidades interessadas foi iniciado hoje e segue até 12 de março.

Leia também: USP recua e garante matrícula de estudantes vindos de colégios militares

Os alunos que quiserem participar do programa anunciado por João Doria poderão aderir voluntariamente. As inscrições estarão abertas entre os dias 22 de abril e 28 de maio. A primeira turma iniciará as aulas ainda no mês de maio e concluirá as atividades até o final deste ano. O certificado estará atrelado à conclusão do Ensino Médio e a carga horária do curso não vai substituir as aulas regulares, que continuam obrigatórias.