Tamanho do texto

Colégio Castanheiras desenvolveu um programa de educação focado na compreensão das relações entre comida, cultura, saúde e meio ambiente

As escolas possuem um papel fundamental na formação de crianças e jovens do nosso País. Mas além do ensino e do caráter, o Colégio Castanheiras na Grande São Paulo também está mostrando que é preciso firmar hábitos de alimentação saudável nos seus alunos.

Leia também: Inscritos no Enem 2018 já podem checar o local de provas a partir de hoje

Alimentação saudável e mais uma das
Divulgação
Alimentação saudável e mais uma das "matérias" abordadas na escola Castanheiras

Dentro de seu projeto Comer Bem, o Colégio Castanheiras definiu como sua missão melhorar a alimentação na escola, desenvolver a educação nutricional, apoiar e favorecer sistemas alimentares sustentáveis, criando um programa de educação focado na compreensão das relações entre comida, cultura, saúde e meio ambiente.

A escola tem a preocupação de capacitar seus funcionários e de ter uma estrutura que ajuda no preparo dos alimentos. Para isso algumas ações são colocadas em prática:

  • Os alunos participam da plantação da horta orgânica - de onde saem muito dos alimentos que são servidos. 
  • Os estudantes participam de discussões com os temas: “De onde vem nossa comida”; “Como é produzida?”; “Quais as relações entre a comida, nossa saúde e o meio ambiente”?
  •  As turmas de Fundamental 1 (1o, 2o e 3o anos) podem pedir o preparo da lancheira diária pela escola. Os lanches são preparados diariamente e entregues na sala de aula. São compostos por um líquido (suco natural, chá de cidreira natural, achocolatado caseiro, água de coco, iogurte), uma fruta da estação e um lanche (pão integral, bolos caseiros). Alguns dias vêm itens “fora da ordem do dia” para eles degustarem, como algas, babaganush e homus, por exemplo.
  • Já para os alunos do 4o e 5o anos e alunos do Ensino Médio, são oferecidos os lanches na cantina da escola, no estilo self-service. Um exemplo de cardápio do dia: chá de cidreira, suco de laranja, muffin de banana com aveia, espiga de milho, uva, melão. 

Leia também: Dia dos professores: profissão é sonho de apenas 3,3% dos estudantes brasileiros

A nutricionista da escola ainda prepara uma degustação mensal para incentivar a experimentação de novos sabores. Em uma recente, o cardápio foi homus de feijão branco, couve de bruxelas ao molho de ervas, palmito pupunha em espaguete, abobrinha assada com parmesão, risoto de alho poró com gorgonzola e de sobremesa torta de maçã e jabuticaba.

“Crianças que não se alimentam adequadamente e que consomem muitos alimentos industrializados com excesso de gorduras, sódio, alto teor de açúcar, bem como o baixo consumo de frutas e hortaliças correm o risco de desenvolver doenças crônicas como diabetes, obesidade, hipertensão entre outras”, diz a nutricionista especializada em introdução alimentar e alimentação infantil Camila Alves.

Cantina do Colégio Castanheiras
Divulgação
Cantina do Colégio Castanheiras

Para nutricionista é importante lembrar que o lanche escolar não pode ser sinônimo de besteira. Isso porque a criança come o lanche cinco vezes na semana, é  construção de um hábito. Ela considera fundamental que escolas adotem projetos de promoção da saúde e de incentivo da criação de bons hábitos alimentares e conscientização sobre a importância de uma alimentação saudável desde cedo.

“Esse incentivo à boa alimentação que o projeto traz reflete não só na qualidade de vida da criança como também no seu aprendizado, melhorando o seu desempenho escolar, como muitas pesquisas vêm demonstrando”, finliza Camila.

Leia também: Governo anuncia R$ 400 milhões para escolas implementarem novo ensino médio

A iniciativa do colégio Castanheiras é motivada pela consciência de que a educação deve acompanhar as transformações do seu tempo. De acordo com a escola, isso significa ser sensível ao surgimento de novas demandas que acionam saberes e profissões com diferentes contornos.