Tamanho do texto

Sem combustível e com redução do transporte público e escolar, estudantes, professores e funcionários não conseguem chegar as instituições de ensino

Greve dos caminhoneiros pelo Brasil: categoria protesta contra o aumento do preço do diesel
Agência Brasil
Greve dos caminhoneiros pelo Brasil: categoria protesta contra o aumento do preço do diesel

A greve dos caminhoneiros também tem afetado escolas e universidades pelo país. A manifestação que já está no quarto dia está provocando a falta de combustível, levando à redução da circulação tanto de ônibus escolares quanto de transporte público, dificultando a chegada de estudantes, professores e funcionários aos estabelecimentos.

No nordeste do país a greve dos caminhoneiros fez com que a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que já havia suspendido as aulas e o expediente administrativo até a manhã de hoje, suspendesse também as atividades desta tarde e noite nos campi Recife, Vitória e Caruaru.

Os restaurantes universitários do Recife e do Centro Acadêmico do Agreste (CAA) não servirão jantar. Ainda segundo a UFPE, as entrevistas e demais atendimentos dos serviços oferecidos pela Pró-Reitoria de Assistência Estudantil que estavam marcados para hoje serão reagendados.

A Universidade de Pernambuco (UPE) também suspendeu as atividades acadêmicas e administrativas de todos os seus 15 campi da tarde e noite desta quinta-feira.

As atividades assistenciais das unidades do Complexo Hospitalar da UPE, composto pelo Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), Pronto-Socorro Cardiológico Universitário de Pernambuco (Procape) e Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), estão mantidas em seu máximo, em respeito aos pacientes que compareçam as unidade de saúde.

A UPE diz que caso haja redução do número de servidores disponíveis nos atendimentos, serão priorizados os casos com gravidade clínica e situações emergenciais.

Leia também: Temer se reúne com ministros e presidente da Petrobras no Palácio do Planalto

Já os estudantes das escolas da rede municipal de Taquaritinga do Norte (PE) tiveram as aulas suspensas devido a impossibilidade de abastecimento da frota do transporte escolar. Segundo a Secretaria de Educação e Cultura do município, as aulas foram suspensas hoje (24) e amanhã (25).

A suspensão poderá, no entanto, se estender para a semana que vem, dependendo do abastecimento dos postos de gasolina da região, que estão, de acordo com a secretaria, sem combustível. "A suspensão das aulas já foi comunicada ao representante do Ministério Público. Analisaremos a melhor forma de repor as aulas", diz em nota.  

Suspensão do transporte escolar

Em Primavera do Leste (MT), cinco ônibus escolares tiveram a circulação suspensa nesta quinta-feira (24), afetando o transporte de cerca de 500 estudantes e 15 professores e funcionários de escolas públicas. No total, 19 ônibus da prefeitura, além de 18 terceirizados seguem operando normalmente.

A circulação foi suspensa na região central da cidade. A Secretaria de Educação e Esporte diz que priorizou a circulação dos ônibus em regiões periféricas e rurais, onde outros meios de transporte são mais difíceis.     

Em Ubatuba (SP), o transporte escolar está suspenso tanto para aulas regulares como atividades de contraturno. Segundo a prefeitura, três ônibus, oito micro-ônibus e cinco vans deixarão de atender cerca de 1,2 mil alunos das regiões mais distantes.

As máquinas da secretaria de Serviços de Infraestrutura Pública, que executam serviços de manutenção e zeladoria pelo município, também param a partir desta quinta-feira.

Os serviços de saúde também poderão ser prejudicados. As reservas de combustível são suficientes, de acordo com a prefeitura, apenas até amanhã (25). A frota usada para a coleta de lixo no município também tem combustível suficiente somente para até esta sexta-feira.

Leia também: Cerca de 40% da frota de ônibus de SP não circula nesta quinta-feira

Greve sem prazo para acabar

A manifestação começou na segunda-feira (21) devido às sucessivas altas no preço dos combustíveis, em especial o diesel. Nesta quarta-feira (24), a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) afirmou que a greve dos caminhoneiros  só será encerrada após o presidente Michel Temer sancionar e publicar, no Diário Oficial da União, a decisão de zerar a alíquota do PIS-Cofins incidente sobre o diesel.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.