Tamanho do texto

Hoje, aluno tem 18 meses após conclusão do curso para começar a pagar pelo financiamento; segundo jornal, alterações devem ser anunciadas neste mês

Fies oferece financiamento de cursos em instituições privadas de ensino superior a uma taxa de juros de 6,5% ao ano
Reprodução
Fies oferece financiamento de cursos em instituições privadas de ensino superior a uma taxa de juros de 6,5% ao ano

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) deve passar por mudanças ainda este mês e atingirá apenas os novos contratos. Segundo as informações divulgadas pelo jornal  Folha de S.Paulo , as alterações incluem o fim do prazo de carência para que estudantes beneficiados iniciem o pagamento da dívida e um valor fixo para os contratos.

Leia também: Controle de gastos, investimentos, estágio: veja dicas para pagar o financiamento

Atualmente, os alunos começam a pagar as parcelas do financiamento somente após um ano e meio da conclusão do curso e o valor do contrato varia de acordo com o aumento das mensalidades das instituições privadas de ensino superior.  No entanto, ainda não está definido na revisão do Fies quem arcaria com a diferença caso a instituição decida reajustar preços.

De acordo com o jornal, as alterações no programa devem afetar tanto as condições para estudantes como para as instituições de ensino superior particulares. O fundo que funciona como um fiador de parte da inadimplência dos alunos também sofrerá mudanças.

Ajustes contínuos

A revisão do programa está sendo realizada pela equipe econômica do presidente Michel Temer com o objetivo de manter a sustentabilidade financeira do programa. O programa foi criado em 1999, durante o governo de Fernando Henrique Cardozo, e desde então vem sofrendo diversas modificações. Atualmente, 2,1 milhões de estudantes participam do programa.

Em 2010, o programa passou a funcionar em um novo formato: a taxa de juros do financiamento passou a ser de 3,4% a.a., o período de carência passou para 18 meses e o período de amortização para três vezes o período de duração regular do curso + 12 meses, o que fez o número de contratos aumentar consideravelmente.

Também em 2010, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) passou a ser o Agente Operador do programa. Além disso, o percentual de financiamento subiu para até 100% e as inscrições passaram a ser feitas em fluxo contínuo, permitindo ao estudante o solicitar do financiamento em qualquer período do ano.

A partir do segundo semestre de 2015, os financiamentos concedidos com recursos do programa passaram a ter taxa de juros de 6,5% ao ano com o objetivo de contribuir para a sustentabilidade do programa. O intuito também foi de realizar um realinhamento da taxa de juros às condições existentes ao cenário econômico e à necessidade de ajuste fiscal.

Desde o primeiro semestre de 2016, a seleção dos estudantes aptos para a contratação começou a ser efetuada exclusivamente com base nos resultados obtidos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Com a nova norma, é exigido que o candidato alcance média aritmética das notas obtidas nas provas do Enem igual ou superior a 450 pontos, além de não poder zerar na nota da redação.

Leia também: Saiba tudo sobre o financiamento estudantil

Inadimplência

Segundo a Folha de S.Paulo , o chamado Fundo Garantidor do Fies, também passará por mudanças. Atualmente, apenas 10% da inadimplência é coberta pelo fundo, composto a partir de uma parcela de 5% dos valores financiados. A previsão é ampliar para 25% a faixa de cobertura de calote. A medida pode impactar no custo para as intuições privadas de ensino superior. No entanto, o governo prevê mecanismos de compensação para as faculdades e universidade que tiverem inadimplência menor.

    Leia tudo sobre: Fies
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.