Henrique Lian, diretor de Relações Institucionais e Mídia da Proteste
Divulgação - 18.02.2022
Henrique Lian, diretor de Relações Institucionais e Mídia da Proteste

Fiz um cartão de crédito e acabei usando todo o limite. Agora estou pagando o valor mínimo, mas parece que a dívida continua sempre a mesma. O que faço? (Andressa Monteiro, Inhaúma)

A percepção da Andressa não está errada. Sua dívida muda pouco porque ela está usando o crédito rotativo do cartão. Essa modalidade é a linha de crédito pré-aprovada no cartão e inclui também saques feitos na função crédito. É oferecida aos clientes que não conseguem pagar o valor total da fatura. Quando isso acontece, a diferença entre o valor total e o que foi efetivamente pago até o vencimento se transforma em um empréstimo. E sobre esse montante são cobrados juros.

Henrique Lian, diretor de relações institucionais da Proteste, alerta: “O problema é que, em razão do risco da inadimplência, a taxa média de juros do cartão de crédito rotativo é uma das maiores do mercado. Apenas para ilustrar, essa taxa variou de 346,3% ao ano em janeiro para 355,2% em fevereiro, de acordo com o Banco Central”.

As dívidas com cartões de crédito e com bancos são os principais focos de inadimplência do brasileiro. Hoje quase 80% da população está nesta situação, salienta o advogado Átila Nunes, do serviço www.reclamaradianta.com.br. O atendimento é gratuito pelo e-mail atilanunes@reclamaradianta.com.br ou pelo WhatsApp (21) 993289328.

Casos resolvidos pela equipe do Reclamar Adianta (WhatsApp - 99328-9328, somente para mensagens): Moises Augusto (Americanas.com), Zildete Ramires (Casas Bahia) , Santiago dos Prazeres (Fast Shop).

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários