Tamanho do texto

Paulo Henrique Amorim era amigo dos seus amigos e inimigo dos seus inimigos, como devem ser todos os homens de valor; leia aqui na coluna

Paulo Henrique Amorim
undefined
Paulo Henrique Amorim morreu aos 77 anos de idade

Uma vez eu lhe disse que era um camaleão, que fazia no programa dominical a crônica da vida brasileira, ao tempo que, da trincheira política, produzia um jornalismo crítico e mordaz, o seu Conversa Afiada.

Leia também: Morre o jornalista Paulo Henrique Amorim, aos 77 anos

Ele foi um fenômeno da natureza, uma força indomável, infensa a pressões e ameaças, inflexível nas suas convicções e certezas, na alegria e na tristeza.

Era um intelectual, um intelectual-jornalista e jornalista-intelectual, denso e inquieto, sempre pronto para o duelo, o duelo irreverente da exposição das incoerências, das sujidades do caráter humano, do desdém com o Brasil e com o seu Povo.

Era um colecionador de afetos e desafetos.

Estou certo de que todos sentirão muito sua ausência, da planície de um país empobrecido de alteridade de pensamento, de coisas, mas, sobretudo de pessoas.

Hoje, morreu Paulo Henrique Amorim , um dos últimos jornalistas de uma Era.

Leia também: É possível governar o Brasil

Eu perdi um amigo, que era amigo dos seus amigos e inimigo dos seus inimigos, como devem ser todos os homens de valor.

Walfrido Warde é advogado, escritor e presidente do IREE, Instituto para a Reforma das Relações entre Estado e Empresa. Escreve para o iG na coluna “Poder para o Povo” todas as quartas-feiras.