Presidente do Instituto de Proteção das Garantias Individuais, Carlos Eduardo Gonçalves
Reprodução
Presidente do Instituto de Proteção das Garantias Individuais, Carlos Eduardo Gonçalves

Presidente do Instituto de Proteção das Garantias Individuais, Carlos Eduardo Gonçalves é  advogado criminalista e professor de direito penal e de direito processual penal. Em entrevista a o Dia, ele fala da superlotação de crimes de bagatela nos tribunais e explica que "o sistema de execução penal como um todo é um reflexo da sociedade em que vivemos".

Em outubro, o caso de uma mulher que foi presa, acusada de roubar macarrão instantâneo, levantou debates na sociedade e no meio jurídico. Na semana passada, o STF mandou soltar a mãe de uma criança, presa há mais de 100 dias, por continuar usando a água de casa, mesmo estando inadimplente com a empresa.

O DIA: O que são os "crimes de bagatela"? Por que é importante falar sobre isso?

Carlos Eduardo: São crimes em que o valor do prejuízo não atinge a relevância exigida pelo Direito Penal. O furto de uma galinha ou de alguns pacotes de miojo, por exemplo, representam crimes de bagatela. São furtos de valores insignificantes. O código penal criminaliza aquele que "subtrai coisa alheia móvel". Quem praticar essa conduta já está formalmente praticando crime de furto. É de suma importância discutir a criminalização dessas condutas e entender o que queremos enquanto sociedade.

O que a superlotação desses crimes de bagatela nos tribunais, de acordo com a sua experiência, dizem a respeito do Brasil? Qual o custo disso?

O sistema de execução penal é um reflexo da nossa sociedade. A cultura do esquecimento e da exclusão dessas pessoas do convívio social criam uma falsa sensação de punição individual, mas indiretamente é a falência de todo o Estado. Não existem estimativas oficiais, mas posso dizer que cerca de 80% dos casos que chegam aos tribunais superiores dizem respeito a crimes de bagatela. Isso é inadmissível.

Quais são os efeitos, no Direito e na sociedade, da aplicação das "excludentes de tipicidade"? O que isso significa?

Em uma linguagem simples, podemos dizer que tipicidade é a conformidade de um fato com a descrição de um crime no código penal. A excludente de tipicidade, por sua vez, ocorre quando um fato é formalmente considerado crime, mas por algum motivo passa a não ser enquadrado como tal. Por exemplo: o furto de uma galinha, de acordo com o Código Penal, é crime. Mas o prejuízo ao patrimônio do dono é tão pequeno que o juiz pode considerar que não houve crime. O objetivo principal do Código Penal, ao tipificar o furto, é proteger o patrimônio da vítima. No furto da galinha, o patrimônio da vítima realmente está sendo atingido? Não. O valor de uma galinha é irrisório. Não podemos considerar este furto como fato típico. Não é crime!

Leia Também

Por que não dedicar esforços na punição de crimes mais danosos à sociedade em vez de prender pessoas que roubam por fome?

Vivemos a cultura do punitivismo. É comum escutarmos que o Brasil é o "país da impunidade", mas na verdade somos o país que mais pune no mundo. O problema é: o que estamos punindo? As classes sociais mais pobres são excluídas por meio do direito penal. Entre tantas outras questões, é isso que se busca evitar com princípios como o da bagatela.

É discutido, na reforma do Código Penal, a anulação do artigo que diz que se a audiência de custódia não ocorrer no prazo que determina a lei (24 horas), a prisão passa a ser ilegal. Como o senhor enxerga isso?

E isso é bom pra quem? Essa é uma garantia constitucional do cidadão, que não deve jamais ser excluída. As autoridades precisam entender que 24 horas é muito tempo para quem é preso injustamente. E o judiciário não pode pensar diferente disso. Espero que o Supremo Tribunal Federal decida pela constitucionalidade e manutenção dessa norma.


Seria possível amenizar a sobrecarga nos tribunais? Como?

Os tribunais superiores atribuem a sobrecarga à quantidade de recursos existentes no Código de Processo Penal. Isso é mentira. Se precisamos chegar ao Supremo Tribunal Federal para discutir a prisão de uma senhora por um miojo, será que a culpa está mesmo na quantidade de recursos? Ou os juízes de instâncias inferiores precisam ter mais responsabilidade ao proferir suas decisões?

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários