Crusoé

undefined
O Antagonista
Eleio em Portugal ter, pela primeira vez, um partido de extrema-direita

Portugal terá eleições para presidente no dia 24 de janeiro e, pela primeira vez desde a volta à democracia, em 1974, terá um partido de extrema-direita. O Chega! foi fundado em 2019 pelo deputado André Ventura (foto). Professor de direito, comentarista de esportes na televisão, ele se elegeu deputado pelo Partido Social Democrata, de centro-direita. Depois, decidiu fundar o Chega! e se candidatar a presidente.

O partido cresceu principalmente fazendo campanha contra os ciganos. No seu programa, a legenda combate a “ideologia de gênero”, o marxismo cultural, o globalismo e defende a transferência da Embaixada de Portugal para Jerusalém — ou seja, ecoa, como é possível notar, algumas bandeiras dos bolsonaristas brasileiros. O partido também apoia as reivindicações dos policiais e pede a castração química de pedófilos reincidentes. É próximo da francesa Marine Le Pen, mas, a exemplo do partido espanhol Vox, da Espanha, não é contra a União Europeia.

“Entre os portugueses e os espanhóis, não há um sentimento forte contra a União Europeia. Mas, como todo partido populista, o Chega! pode adotar qualquer bandeira, dependendo do que lhe trouxer mais apoio”, avalia o cientista político Antonio Costa Pinto, da Universidade de Lisboa.

Nas eleições presidenciais, Ventura deve ter entre 6% e 10% dos votos. Embora não tenha qualquer chance de sair vitorioso, o partido ganhará visibilidade com o pleito de janeiro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários