Enquanto os ministros do Supremo Tribunal Federal suspeitam de devassa oficial na vida de Edson Fachin, conforme reportagem da "Veja" deste fim de semana, há outro mistério que a Segurança da Corte até hoje não conseguiu resolver.

Leia também: Inferno astral nos negócios educacionais de Walfrido

Numa varredura, agentes da Secretaria de Segurança do STF descobriram um aparelho de escuta ambiental (desativado) debaixo da mesa no gabinete do ministro Luís Roberto Barroso, como revelou esta Coluna dia 17 de maio de 2016.

A suspeita é de que o alvo era o então ministro Joaquim Barbosa, relator do Mensalão do PT, que ocupava o gabinete antes de Barroso. Não se sabe até hoje quem instalou o aparelho e por que.

Leia também: Advogado especialista lança o livro “Crônicas da Lei da Repatriação”

Críticas à revista

Diante do novo mistério – se Fachin foi ou não espionado por agentes da Agência Brasileira de Inteligência – a reportagem foi muito criticada por juristas, advogados e até ministros das altas Cortes. Não há qualquer prova apresentada na reportagem, apenas citações a fonte e dados que, segundo os togados, poderiam ser obtidos em conversas com outras fontes que não do Governo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários