Tamanho do texto

A importância dos dados e da verificação experimental para o método científico e para as políticas públicas

Dragão na garagem reflete a necessidade de dados na ciência arrow-options
Friedrich Johann Justin Bertuch
Ilustração de 1806

Conheci essa história com o grande astrônomo e divulgador Carl Sagan.

Imagine que um vizinho vem te dizer, “Cara, você não vai acreditar, mas tem um dragão na minha garagem!”

“Uau, sensacional!”, respondo. “Posso ir lá ver?”

“Puxa, infelizmente, ele é invisível.”

Que decepção, né.

“Tudo bem, então deixa eu sentir o hálito dele pra ver se tem cheiro de enxofre mesmo.”

“Ah, mas ele também não tem cheiro.”

Começo a ficar bastante decepcionado.

“Ok, então pelo menos deixa eu passar a mão nele para sentir como são as escamas.”

“Só que esse dragão é intangível.”

A essa altura, desisto e mando meu vizinho catar coquinho.

Para todos os efeitos, esse dragão não existe. Não importa se meu vizinho está mentindo ou não, porque não tenho como verificar o que ele está dizendo.

O mesmo vale para o método científico. É muito difícil dizer que estamos tentando encontrar a verdade absoluta do Universo, já que não temos como ter certeza.

Isaac Newton estava certo por centenas de anos ao dizer que corpos no espaço se atraem mutuamente. Até que um tal de Albert Einstein, no século XX, chegou e disse que na verdade os corpos deformam o espaço-tempo ao seu redor.

Pode parecer uma loucura, e seria se os dados não demonstrassem que a teoria de Einstein estava correta. Os dados transformaram uma ideia excêntrica na nova “verdade” — ou pelo menos no novo paradigma científico para a gravitação universal. Até que um novo modelo e novos dados mostrem algo que Einstein não previu.

Para crer em algo como verdade científica, precisamos dos dados para suportar nossas hipóteses. Não importa se quem fala é um gênio ou um excêntrico, nossas afirmações sempre carecem de verificação experimental, algo que qualquer um possa usar para falsificar ou confirmar o modelo.

O mesmo deve valer para políticas públicas. Governantes devem se apoiar em evidências científicas para guiar suas ações. Sem os dados, não há como estabelecer parâmetros no que diz respeito a temas como o aquecimento global ou os incêndios na Amazônia.

Sem os dados, estamos à mercê deste ou daquele grupo ideológico que pode criar suas próprias verdades.


Acompanhe o colunista no Twitter

Leia mais: a ciência brasileira em perigo