Nuvens de gafanhotos estão devastando campos na África Oriental arrow-options
FAO/Giampiero Diana
Nuvens de gafanhotos estão devastando campos na África Oriental


Dois meses depois do início do surto de “nuvens” de gafanhotos, a África Oriental já começou a enfrentar uma segunda onda da infestação . Segundo alerta da Organização das Nações Unidas (ONU), essa nova fase do problema pode causar uma devastação 20 vezes maior do que o surto anterior.

O problema é classificado pela ONU como uma “ameaça sem precedentes e extremamente alarmante”.  Com os gafanhotos devorando plantações, a principal preocupação é com a segurança alimentar da região, que já é bastante precária.

De acordo com a ONU , um número crescente de novas "nuvens" está em formação no norte e no centro de Quênia, Etiópia e Somália. A diferença para infestação anterior é que, desta vez, os insetos são mais jovens e mais famintos.

Leia também: Caçadores aproveitam queda do turismo na África para matar mais rinocerontes

Preocupação em dobro

Uganda relatou duas “nuvens” chegando na semana passada, vindas do Quênia. Os gafanhotos seguem as chuvas da primavera, buscando culturas emergentes e outras vegetações. A preocupação cresce ainda mais quando se leva em consideração que o fenômeno coincidiu com o momento em que a pandemia de covid-19 começou a dar sinais mais fortes no continente africano.

“Isso é muito destrutivo e estamos preocupados que tenha chegado no momento da quarentena. Estamos um pouco sobrecarregados. No momento em que eles (os gafanhotos) chegam a um lugar, a primeira coisa que fazem é comer qualquer coisa verde. Eles destruíram alguns campos de cultivo e vegetação ”, disse.

Em fevereiro, oito países da África Oriental sofreram o pior surto de infestações de gafanhotos em 70 anos, agravado pelas mudanças climáticas e pela guerra no Iêmen.

    Veja Também

      Mostrar mais