Metade das prais do mundo pode desaparecer até 2100
Pixabay
Metade das prais do mundo pode desaparecer até 2100


Um novo estudo publicado pela revista científica Nature , nesta segunda-feira (2), indica que metade das praias do mundo pode desaparecer até o fim do século. Antes disso, por volta de 2050, é possível que as áreas costeiras enfrentem de 10% a 12% de erosão em seus solos. Até 2100, áreas bastante povoadas podem ter um recuo de 100 metros em suas linhas costeiras.

"Consideramos o limiar de 100 metros porque, se a erosão exceder 100 metros, isso significa que, provavelmente , a praia desaparecerá, porque a maioria das praias do mundo é ainda mais estreita que 100 metros. De certa forma, consideramos que essa é uma avaliação conservadora ", explica Michalis Vousdoukas, oceanógrafo do Centro de Pesquisa da Comissão Europeia que assina a pesquisa., realizada em parceria com universidades de Portugal, Espanha e Holanda.

O estudo analisa como as praias do mundo vão reagir a um cenário com o nível do mar mais alto e tempestades mais intensas. Também foram considerados processos como erosão e geologia subjacente de uma praia, além das intervenções humanas, como construções de prédios e barragem.

Impacto

Os resultados indicam que o aumento do nível do mar deve superar todas as variáveis. Enquanto isso, quanto mais gases captadores de calor os seres humanos liberam na atmosfera, piores os impactos nas praias.

Leia também: 6 meses do óleo nas praias do Nordeste: mistério sobre a origem continua

“Nossas praia se movem para frente e para trás em resposta à mudança do nível do mar, isso desde o início dos tempos”, explica Robert Young, diretor do Programa para o Estudo de Linhas Costeiras Desenvolvidas.

Redução de danos

Segundo o estudo, as praias que enfrentam o pior nível de erosão estão localizadas em áreas urbanas, com grandes prédios e estradas perto da costa. Isso ocorre porque as intervenções humanas interrompem os processos naturais que permitem que a areia se reabasteça por contra própria.

"No momento, o que estamos tentando fazer em todos os lugares é manter a linha costeira no lugar. Nas próximas décadas, no entanto, não seremos capazes de fazer isso, mesmo se quisermos", alerta Young.

O que resta no momento é tentar reduzir o impacto, cortando a poluição causada por gases. “Se tentarmos cumprir as metas do acordo de Pais, podemos reduzir 40% dos impactos que projetamos nos estudos”, pondera Vousdoukas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários