Mancha de óleo em praia do Nordeste
Foto: Reprodução/Instagram
Vazamento de óleo já atinge mais de 2 mil km de praias no Nordeste brasileiro

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fez um pronunciamento em rede nacional de televisão e rádio nesta quarta-feira (23) e disse que o governo pediu explicações à Venezuela sobre o óleo que polui praias da região Nordeste.

Leia também: Após protesto, Ricardo Salles chama ativistas do Greenpeace de "ecoterroristas"

Análises já apontaram que o produto é de origem venezuelana, mas ainda não se sabe como ele foi parar na costa brasileira. As primeiras manchas surgiram em 30 de agosto, e o óleo atingiu os nove estados nordestinos.

Segundo Salles, o presidente Jair Bolsonaro determinou o envio de uma solicitação formal à Organização dos Estados Americanos (OEA) para que a Venezuela se explique sobre o assunto. "Esse processo investigativo tem como principal objetivo determinar as causas e origens desse óleo e, com isso, não apenas fazer cessar o seu aparecimento no litoral brasileiro, mas também obter informações que nos permitam responsabilizar aqueles que tenham contribuído para esse desastre ambiental", disse o ministro.

Ricardo Salles também se explicou sobre o Plano Nacional de Contingência (PNC), criado em 2013 e que, de acordo com a BBC Brasil, não foi acionado pelo governo. No pronunciamento, o ministro disse que o "Grupo de Acompanhamento e Avaliação", composto pelo Ibama, pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) e pela Marinha, está seguindo as diretrizes estabelecidas pelo PNC.

"Seguindo a orientação prevista no Plano Nacional de Contingência, foi designada a Marinha do Brasil para desempenhar o papel de coordenação operacional, estabelecendo salas de comando e controle nas cidades de Salvador e Recife", declarou.

Leia também: Óleo no Nordeste: intoxicados, voluntários começam a procurar hospitais

Desde a última terça (22), 5 mil militares do Exército também participam da limpeza do óleo das praias, que até o momento vem sendo capitaneada por voluntários e moradores locais. Em Itapuama (PE), as pessoas chegaram a escrever um pedido de socorro na areia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários