Tamanho do texto

Com diversas características incomuns, o novo ser vivo foi apresentado por uma equipe do zoológico de Paris; conheça as habilidades do novo organismo

Blob arrow-options
Reprodução/Zoológico de Paris
Novo ser vivo será apresentado ao público no próximo final de semana

Ele é amarelo, não tem cérebro, pode crescer até 4 centímetros por hora e tem uma série de 'habilidades especiais', como se regenerar após ser cortado e até resolver problemas. Conheça o 'blob', novo organismo vivo que será apresentado ao público pelo zoológico de Paris no próximo sábado (19).

Leia também: Troca de tiros no aeroporto internacional de Viracopos deixa feridos; Assista!

Segundo informações da equipe responsável por descobrir o novo ser vivo, o ' blob ', que é oficialmente conhecido como physarum polycephalum, não é uma planta, nem um animal ou um fungo, tem cerca de 720 sexos diferentes, pode se separar em diversos organismos distintos e depois de fundir novamente.

Ainda de acordo com os pesquisadores do zoológico francês, ele também é capaz de resolver problemas, como descobrir a forma mais rápida de sair de um labirinto, e até antecipar mudanças em seu habitat natural.

Histórico

Acredita-se que o ser unicelular tenha bilhões de anos, mas só foi identificado por volta de 1973, quando uma norte-americana descobriu um 'blob' crescendo em seu quintal. Sua aparência estranha e 'de outro planeta', fez com que se tornasse notícia em diversas partes do mundo.

Porém, a história do primeiro 'blob' da Terra não foi muito longa, o que fez muita gente esquecer de sua existência conforme os anos se passaram. Até que, em 2016, uma publicação científica trouxe o assunto de volta aos holofotes.

O estudo, publicado no jornal 'Proceedings of the Royal Society', de autoria da biológa Audrey Dussutour, mostrou que o  physarum polycephalum conseguia aprender a ignorar substâncias que fossem nocivas para seu organismo e assimilava tal informação, o que foi confirmado quando testes foram realizados um ano após a experiência inicial.

Apresentação ao público

Criado inicialmente em uma placa de petri, ele se alimentava de flocos de aveia até que foi transportado para um galho de árvore quando atingiu um determinado tamanho. Desde então, começou a se alimentar da árvore e foi colocado em um terrário, de onde será exposto aos visitantes.

Leia também: "Se alguém grampeou, é uma desonestidade", diz Bolsonaro sobre áudio vazado

"Acácias, carvalhos e castanheiras são os lugares preferidos dele, que preferem viver em locais com temperaturas entre 19° e 25° graus e com umidade entre 80% e 100%", revelou Marlene Itan, uma das funcionárias do zoológico envolvida na pesquisa, em entrevista à CNN.

Praticamente imortal, o ' blob ' só é vulnerável a luz intensa e falta de umidade, conforme explica o release divulgado pelo zoo. Entretanto, é capaz de hibernar por diversos períodos quando é ameaçado.