Tamanho do texto

Em Nova York para participar da 74ª Assembleia Geral da ONU, ministro do Meio Ambiente disse que o Brasil precisa receber pelos serviços ambientais

Ricardo Salles arrow-options
Antonio Cruz/Agência Brasil - 24.8.19
Brasil presta serviços ambientais para o mundo, diz Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (Novo), afirmou, em entrevista à TV Brasil , da EBC , que o Brasil presta serviços ambientais ao mundo e precisa receber por isso. Salles está em Nova York, onde participará da 74ª Assembleia Geral da ONU , ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que vai discursar na abertura. A repercussão dos incêndios na Floresta Amazônica colocou a questão ambiental no centro do debate internacional.

Leia também: Operação militar contra incêndio na Amazônia pode ser prorrogada por um mês

"O Brasil presta serviços para o mundo, o chamado PSA, pagamento por serviços ambientais, nós precisamos receber por eles, o pagamento por serviços ambientais é algo merecido pelo Brasil", afirmou Ricardo Salles .

Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais

O PSA pode avançar no país com a aprovação do Projeto de Lei 312/15, que cria a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais (PNPSA), destinada a regulamentar a remuneração de produtores, indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais que conservarem áreas de preservação.

A proposta já foi aprovada pelo plenário da Câmara dos Deputados no início do mês e tramita agora no Senado.

"Os brasileiros que vivem lá [na Amazônia] precisam sentir que realmente a floresta vale mais em pé, que é importante preservar, que isso traz benefício econômico para toda a
população", acrescentou o ministro.

Na ONU, ele disse que o governo vai defender seu histórico de preservação do meio ambiente, que classifica como "excelente".

"O Brasil tem um excelente histórico de preservação ambiental. Um país que preservou 84% do seu bioma Amazônia, tem 60% da sua vegetação nativa nos seus biomas preservados. Temos um código florestal que é exemplo de norma de ocupação ambiental para o mundo. O Brasil tem muita coisa positiva para mostrar", acentuou.

Leia também: Últimos 5 anos são os mais quentes da história, diz levantamento da ONU

Inclusão socioeconômica

Para o ministro do Meio Ambiente, o país negligenciou, nas últimas décadas, a inclusão socioeconômica da população que vive na Amazônia.

"O Brasil, durante 20 anos, deixou para trás esses brasileiros que vivem na região da Amazônia, não levou desenvolvimento econômico para a região, não distribuiu a prosperidade para que essas pessoas pudessem crescer, enfim, ter alternativas de desenvolvimento econômico" frisou.

Leia também: Governo discute maior plano de exploração da Amazônia desde a ditadura, diz site

A prioridade do governo, reforçou o ministro, será justamente incorporar a população que vive na região da Amazônia ao processo de desenvolvimento econômico.

"A Amazônia tem alguns projetos importantes, há iniciativas que aconteceram ao longo dos anos, mas nós entendemos que é preciso fazer mais, incorporar essas pessoas realmente ao dinamismo econômico, dar oportunidades para que elas possam produzir, melhorar de vida, enfim, melhorar, inclusive, os índices de saneamento, de coleta e destinação de lixo, há uma série de indicadores na região da Amazônia que precisam melhorar”, finalizou Ricardo Salles .