Chegando à marca de 10 mil óbitos provocados pela Covid-19, o Brasil deve conviver com o surto da doença até depois do Natal. É o que diz um estudo feito pela Universidade de Singapura caso mantenhamos o ritmo atual.

Leia tambem: Brasil registra mais de 10 mil mortes pela Covid-19

Pesquisa
Pixabay/Creative Commons
Bolsas de pesquisa serão voltadas para áreas específicas


Os pesquisadores realizaram essa projeção a partir de dados de pessoas infectadas, suscetíveis e recuperadas da Covid-19 . Analisando e cruzando os números de diferentes países, os cientistas puderam identificar alguns padrões.

Leia também: Mundo tem 3,8 mi casos de Covid-19; Brasil é o 6º em mortes

Apesar de usar dados objetivos, as previsões devem ser lidas com precaução, estando sujeitas a alteração. Os profissionais ainda salientam que ela não deve ser usada como justificativa para qualquer afrouxamento de medidas de contenção do novo coronavírus .

Estudo e resultados

“A evolução da Covid-19 não é completamente aleatória. Como outras pandemias, segue um padrão de ciclo de vida desde o surto até a fase de aceleração, ponto de inflexão, fase de desaceleração e eventual parada ou término", disse o estudo em 28 de abril. O Brasil estaria na fase de aceleração de contaminação e mortes.

Leia também: Hospital de Campanha do Maracanã será aberto neste sábado com 40 leitos

Ainda de acordo com o estudo, o pico de contaminação mundial aconteceu no mês de abril. Diante desse cenário, o fim da pandemia no mundo deve acontecer no Réveillon deste ano, em 31 de dezembro

Vale lembrar que esta projeção é atualizada conforme os países computam novos dados, por isso, pode sofrer alterações ao longo do tempo. Os estudiosos ainda alertam que o comportamento dos governos e da população pode influenciar no resultado e prolongar ou adiantar o pico e o possível fim do surto da Covid-19 .

    Veja Também

      Mostrar mais