Modelo do novo coronavírus
Reprodução/NIAID-NIH
Novo coronavírus tem funcionamento semelhante ao Mers

Dois estudos do Instituto Italiano de Tecnologia (IIT) descobriram que o novo coronavírus (Sars-CoV-2) tem uma segunda via de entrada nas células do corpo humano, além da conhecida Ace2: o receptor de ácido siálico, presente nos tecidos das vias aéreas altas.

Leia também: Estudos avançam na busca de medicamentos contra covid-19

O receptor é usado também por outro vírus, o Mers-CoV, que causa a Síndrome Respiratória do Oriente Médio, que também provocou uma epidemia em 2012. Segundo as pesquisas, depois que o Sars-CoV-2 entra no organismo para reproduzir-se, ele usa diversas proteínas, entre as quais, algumas comuns do vírus da imunodeficiência humana (HIV).

A descoberta feita pelos estudos, que ainda precisam de mais testes para serem confirmados pela comunidade científica, abre novas possibilidade sobre o nível de contágio do novo coronavírus e sobre o uso de novos medicamentos. "Nós desenvolvemos um novo modelo preditivo para entender como as proteínas na superfície do vírus interagem com os receptores humanos", explica o diretor do IIT, Giancarlo Ruocco.

No primeiro estudo, feito em Roma com o apoio da Universidade Sapienza, os pesquisadores analisaram as interações da proteína Spike, com a qual o vírus conecta o receptor Ace2 (o mesmo usado como alvo pelos medicamentos da família sartan e anti-hipertensivos), e confrontaram a sua capacidade de permanecer conectado. Com surpresa, os estudiosos viram que essa capacidade era muito inferior àquela do vírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars). Por isso, tiveram a ideia de buscar um segundo receptor envolvido.

"Assim, nós descobrimos que para entrar na célula, o vírus Sars-CoV-2 também usa o ácido siálico, presente nas vias respiratórias, e usado pelo vírus Mers", diz ainda Ruocco.

Conforme o pesquisador, agora é preciso entender se a diferente mortalidade e infecciosidade da Covid-19 depende desses dois caminhos de entrada. "Isso poderá esclarecer porque há tantos casos assintomáticos, mas essa é só uma hipótese que deve ser confirmada, assim como os resultados do estudo", esclarece ainda o italiano.

Já a outra pesquisa, coordenada pelo diretor do IIT de Gênova, Gian Gaetano, descobriu que parte da proteína Spike que interage com o receptor do ácido siálico muda muito entre as várias cepas de vírus, o que poderia explicar as grandes diferenças de comportamento da doença observadas nas diversas populações. Também analisou como o vírus age quando entra na célula e começa a se reproduzir.

"Nós vimos assim que, além de se servir de algumas proteínas já conhecidas e comuns em outros vírus, que ele pega algumas outras específicas. Nessas últimas, uma dezena são compartilhadas com o vírus do HIV", precisa Tartaglia.

Leia também: Covid-19: Projeto da USP visa construir ventiladores pulmonares mais baratos

A sugestão dos pesquisadores é "tentar usar, entre os antivirais desenvolvidos nos últimos anos contra o HIV, aqueles que agem de maneira pontual em cima dessas proteínas. Também nesse caso, os dados precisam ser confirmados, e esperamos que a nossa publicação chegue aos termos científicos e que receba comentários úteis para compreensão", finaliza.

    Veja Também

      Mostrar mais