Leite materno em pó
Reprodução
Pesquisa sobre leite materno em pó ganhou premiação

O correto aleitamento materno, que deve ser feito até os seis meses de vida do recém-nascido, é um grande problema no país e hoje está disponível a apenas 40% da população brasileira. Pensando nisso, uma equipe da Universidade Estadual de Maringá (UEM) desenvolveu uma maneira de ajudar as mães que não conseguem alimentar os filhos e precisam recorrer aos bancos de leite. A aposta é um método que cria o leite materno em pó através de um processo chamado secagem por “spray drying” e já rendeu até prêmio.

Leia também: Remédio para transplantados é produzido a baixo custo na Unicamp

A ideia surgiu após Vanessa Javera, estudante de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos da UEM, tratar com o professor Jesuí Vergílio Visentainer sobre a possibilidade de realizar uma pesquisa sobre o leite materno em parceria com o banco de leite da cidade. O principal objetivo era evitar que o leite doado se perdesse nas utilizações - uma vez que não pode voltar a ser congelado após ser retirado dos freezers - e criar uma forma de facilitar a rotina diária dos bancos.

“Como funciona hoje: a mãe coleta esse leite.  O pessoal vai até lá com uma caixa térmica, busca o leite e leva ele congelado até o banco . Isso é um desafio porque o leite precisa chegar congelado. Ás vezes, a amostra descongela e acaba sendo desprezada, porque é preciso ter um controle de qualidade rígido, do começo ao fim do processo”, afirma Vanessa.

Durante os estudos, ela se deparou com alguns trabalhos que realizavam a liofilização do leite. Tal processo consiste no congelamento da amostra até temperaturas de -54°C e no aumento da pressão, que transformam a água dentro do leite em gás e a fazem evaporar. Com isso, sobra apenas o leite em pó. Segundo ela, é um processo bastante utilizado na indústria alimentícia, como em sopas instantâneas e outros produtos.

Aposta mais rápida e mais segura

Pesquisadores
Reprodução
Vanessa Javera e Jesuí Vergílio Visentainer: pesquisadores responsáveis pelo projeto

A ideia de utilizar o método de secagem por “ spray drying ” surgiu, segundo ela, durante uma feira de ciências na universidade. Ao explicar o projeto que estava realizando, Vanessa ouviu a sugestão de um colega e resolveu fazer uma tentativa.

“Ele me explicou que o spray dryng é um processo de secagem com altas temperaturas e um curto período de tempo. É um processo inédito, que ainda não tinha sido testado, e nós conseguimos realizar com todos os leites, do colostro (primeiros cinco dias de vida do bebê) até o maduro (estágio final e definitivo)”, afirma.

Esta é exatamente a vantagem no comparativo com o método de liofilização. Apesar de utilizar uma máquina mais cara – R$ 250 mil contra R$ 150 mil -, o “spray Drying” transforma o leite líquido em pó em muito menos tempo. Levando-se em conta uma amostra de um litro, seriam necessários apenas 30 minutos para atingir o resultado esperado, enquanto o liofilizador leva 36 horas: 12 horas no equipamento, 12 horas de intervalo e outras 12 horas de processo novamente.

“O método do spray drying trabalha de acordo com o volume da amostra. Este é mais um ponto positivo do processo”, explica a pesquisadora. “Na atual rotina, a mãe doa, a gente coleta, leva para o banco de leite e congela. Existe uma padronização: depois da pasteurização, a gente congela o colostro em amostras de 150ml e de 300ml para o transição e o maduro. Este leite só pode ser descongelado uma vez e dura 24h. Com isso, pode haver perda se não for completamente utilizado. Então, o leite em pó permitiria que a gente pudesse dar porções adequadas, sem perda no fim. É o melhor cenário”.

A descoberta do novo processo fez a pesquisa caminhar para a questão seguinte do problema: como garantir que o pó resultante não perderia os nutrientes e benefícios que o recém-nascido recebe no leite materno? Vanessa revela que foram feitas pesquisas que confirmaram a presença dos marcadores imunológicos e das propriedades nutricionais , garantindo assim que o leite pudesse ser utilizado como alternativa para os bancos.

Conquista do prêmio

Na visão dos pesquisadores, a produção do produto em pode auxiliar uma demanda extremamente importante no País e evitar que um grande número de bebês tenha que ser alimentado com fórmulas infantis, muito menos saudáveis do que o leite materno. Além disso, aumenta o tempo de validade das amostras doadas, sem perder em qualidade e sabor.

Tal análise foi corroborada pelos avaliadores da 19ª edição do Prêmio Péter Murányi , distribuído anualmente para iniciativas que melhoram a qualidade de vida da sociedade brasileira, que deram ao projeto o primeiro prêmio, de R$ 200 mil. Presidente da fundação responsável pela premiação, Vera Murányi Kiss salientou a importância da pesquisa: “Nada substitui o leite materno, não apenas em termos nutricionais, como também para o desenvolvimento imunológico. Daí, o grande significado do trabalho vencedor”.

Já Vanessa, que prefere não revelar ainda quais os próximos passos da pesquisa, ressalta a importância da conquista e do aporte de dinheiro, uma vez que trabalhar com leite materno tem um custo muito elevado e a universidade dispõe de poucos recursos para as pesquisas científicas .

Leia também: Baterias são construídas por vírus geneticamente modificados

“Esse prêmio vai nos ajudar a desenvolver outros subprodutos a partir do leite materno em pó e a conseguir mais recursos para a pesquisa. Eu, como aluna de doutorado, estou muito feliz, porque o aleitamento materno não só salva vidas, como também muda a sociedade. As crianças ficam menos doentes e crescem mais inteligentes, com maior poder cognitivo. Torço para que isso não fique só no prêmio, só no papel, mas que seja implementado na prática”, finaliza.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários