Tamanho do texto

Solstício desta quinta-feira (21) marca a chegada das baixas temperaturas no Hemisfério Sul e também o início dos meses de verão no Hemisfério Norte

A estação das baixas temperaturas começa nesta quinta-feira (21) com o fenômeno astronômico do solstício do inverno
Rovena Rosa/Agência Brasil - 18.7.17
A estação das baixas temperaturas começa nesta quinta-feira (21) com o fenômeno astronômico do solstício do inverno


Os amantes do frio podem comemorar, afinal, o inverno finalmente chegou no Hemisfério Sul. A estação mais fria do ano começa às 07h07 desta quinta-feira (21) com um fenômeno astronômico chamado solstício, que acontece duas vezes por ano e é responsável por marcar a entrada do inverno e também a do verão. Mas, você lembra exatamente o que isso significa?

Leia também: Cientistas flagram ‘arroto’ de buraco negro supermassivo após devorar estrela

De acordo com Thiago Signorini Gonçalves, doutor e professor de Astrofísica na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o fenômeno acontece quando o eixo de inclinação da Terra (de 23 graus) está alinhado de maneira perfeita, fazendo com que o Sol ilumine ao máximo um dos dois hemisférios do planeta. “No solstício de inverno, o Sol está mais inclinado, passando o dia todo um pouco mais próximo ao horizonte. Dessa forma, os dias são mais frios e mais curtos no inverno”, explica.

O mesmo acontece para marcar a entrada do verão, só que dessa vez a inclinação da Terra faz com que a iluminação do Sol trabalhe de maneira contrária. A estrela estará a pino, no ponto máximo do céu, e incide verticalmente sobre o Trópico de Capricórnio fazendo com que aquele dia seja o mais longo do ano, em termos de período de claridade.

Lembrando que no mesmo dia em que o Hemisfério Sul celebra o começo do inverno, os moradores do Hemisfério Norte passam a viver sob as altas temperaturas do verão. Ou seja, nesta quinta-feira o Sol incide diretamente no Trópico de Câncer e faz o verão começar para os países do norte, enquanto o inverso acontece para os território ao sul da Linha do Equador. “Seis meses mais tarde, quando a Terra deu meia-volta ao redor do Sol, a situação se inverte”, lembra Gonçalves.

A imagem representa como o solstício de hoje é percebido para os países do Hemisfério Norte, onde o verão começa
Creative Commons/Wikimedia
A imagem representa como o solstício de hoje é percebido para os países do Hemisfério Norte, onde o verão começa


É possível observar o solstício de inverno?

O astrofísico contou que uma das formas de perceber o evento é medindo a duração do dia, ou seja, as horas entre o momento do nascer e do pôr do sol: “Lembre-se, é o dia mais curto do ano, com a noite mais longa”. Contudo, a melhor forma de notar os solstícios acontece em suas ‘versões’ que marcam o verão, quando podemos estar sobre a linha do Trópico – no caso de São Paulo, o Trópico de Capricórnio.

Se por acaso hoje você estiver próximo do Trópico de Câncer, que corta países como o México e a China, perceba ao meio-dia que algo de muito curioso acontece: o Sol estará exatamente sobre a sua cabeça e não haverá sombra alguma para objetos verticais, já que os raios da estrela estão incidindo exatamente sobre a linha.

Entretanto, você também pode esperar até dezembro para colocar o mesmo plano em prática no Hemisfério Sul, e até mesmo utilizar outras técnicas para visualizar a entrada do verão.

Como os solstícios são os dias em que o sol está mais distante do leste, no amanhecer, e do oeste, no poente, é possível usar esses momentos para percebê-lo. "Se não quisermos nos levantar cedo para observar o solstício, temos a oportunidade de acompanharmos o pôr do sol do dia mais longo do ano", explica Silvania Sousa do Nascimento”, física e professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Mas, atenção! É preciso tomar cuidado : não podemos olhar diretamente para o Sol sem filtros adequados para este ato. Portanto, proteja-se com óculos escuros. 

Leia também: Cientistas britânicos identificam "nuvens de diamantes" brilhando na Via Láctea

Diferença entre um solstício e um equinócio

Os ‘irmãos’ dos solstícios são os equinócios, que, por sua vez, marcam a chegada do outono e da primavera. A diferença básica entre os eventos também diz respeito ao eixo de inclinação da Terra e a incidência dos raios solares, já que os equinócios correspondem aos dias do ano em que os dois hemisférios recebem a mesma quantidade de luz solar, o que explica termos como o “meia estação” utilizados para designar estes dois períodos do ano.

Leia também: Missão da Nasa desvenda mistério de 39 anos sobre relâmpagos formados em Júpiter

Assim, enquanto um solstício ilumina mais um dos hemisférios, determinando a duração daquele dia, um equinócio ilumina as duas 'partes' de maneira igual, o que resulta em um dia simétrico, com 12 horas de claridade e 12 horas de escuridão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.