Tamanho do texto

Com previsão de pousar no planeta vermelho em novembro, sonda foi enviada hoje para fazer 'checkup' em Marte e entender melhor sua formação

Sonda InSight vai perfurar cinco metros da superfície de Marte para medir temperatura e tremores do planeta
Nasa/JPL-Caltech
Sonda InSight vai perfurar cinco metros da superfície de Marte para medir temperatura e tremores do planeta

A agência espacial americana (Nasa) deu início neste sábado (5) à sua nova missão a Marte , que tem como objetivo fazer um "checkup" completo no planeta vermelho, estudando o seu interior e ajudando a ciência a compreender melhor a formação de planetas rochosos e a história do nosso sistema solar como um todo.

A sonda batizada de InSight (algo como "compreensão", em tradução livre) foi enviada nesta manhã acoplada num foguete United Launch Alliance Atlas V lançado a partir de uma base aérea na Califórnia, nos Estados Unidos. A InSight já se separou do foguete que a colocou a caminho de Marte , onde a sonda deve pousar somente em novembro.

Por lá, a sonda irá utilizar equipamentos para perfurar a superfície do planeta em cinco metros de profundidade e analisar o quão quente Marte efetivamente continua sendo, quanto o interior do planeta ainda está geologicamente ativo e como ele se comporta em sua órbita em torno do Sol. Trata-se do "primeiro checkup completo" do planeta formado há cerca de 4,5 bilhões de ano, conforme a própria Nasa explica a missão.

Leia também: Nasa lança caçador de planetas habitáveis fora do sistema solar

InSight abre portas para estudar possibilidade de vida em Marte

Sonda da Nasa foi enviada a Marte acoplada num foguete Atlas V 401 lançado da Califórnia (EUA)
NASA/KSC
Sonda da Nasa foi enviada a Marte acoplada num foguete Atlas V 401 lançado da Califórnia (EUA)

O administrador da agência americana, Jim Bridenstine, explicou que a compreensão de todos esses fatores será crucial para que a Nasa lance, em 2020, uma nova missão com o objetivo específico de avaliar se em algum momento Marte abrigou alguma forma de vida. "Essa é uma missão importante, não só para os Estados Unidos, mas para o mundo entender melhor porque os planetas mudam. E, em última análise, entender nosso próprio planeta", disse Bridenstine.

“O pouso ocorrerá, intencionalmente, em uma região monótona do planeta”, explica Neil Bowles, cientista planetário da Universidade de Oxford, um dos membros da equipe de pesquisadores britânicos envolvidos na missão. “É um local plano, vazio e – esperamos – sem muito vento. E isso é precisamente o que necessitamos”, completa.

O foguete lançado hoje na Califórnia também mandou ao planeta vermelho dois cubesats, espécie de minissatélites com aproximadamente 10 centímetros de diâmetro, que irão auxiliar a Nasa na comunicação com a estrela principal dessa missão, a sonda InSight. Esses pequenos satélites foram oficialmente batizados de MarCO (sigla para Mars Cube One), mas eles foram apelidados de Wall-E e Eva, numa homenagem aos personagens animados da produtora Pixar.

Leia também: Nasa revela possibilidade de vida alienígena nas nuvens de Vênus; entenda

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.