Tamanho do texto

Vida extraterrestre pode estar sendo feita refém em planetas distantes, o que também dificultaria lançamento de foguetes para certos corpos celestes

Segundo estudo, super-Terras podem estar dentro da zona de Goldilocks de estrelas, área propícia para abrigar alienígenas
Reprodução/Nasa
Segundo estudo, super-Terras podem estar dentro da zona de Goldilocks de estrelas, área propícia para abrigar alienígenas

Um estudo realizado por pesquisadores do Observatório Sonneberg, na Alemanha, diz que há a possibilidade de alienígenas estarem presos em seus planetas devido à intensa gravidade presente nesses mundos distantes. De acordo com o autor do estudo, Michael Hippke, a vida extraterrestre pode estar sendo feita refém nas chamadas “super-Terras”, o que também dificulta o lançamento de foguetes para corpos celestes dez vezes maiores que o nosso planeta.

Leia também: 'Júpiter Quente': o novo exoplaneta que absorve toda a luz que o cerca

Hippke afirmou que grande parte dos planetas extrassolares, ou “super-Terras”, pode estar dentro da “zona de Goldilocks" ou “zona habitável” de sua estrela, área onde a temperatura da superfície do corpo celeste é ideal para abrigar alienígenas . Informações do Daily Mail ressaltaram que, por meio de um cálculo gravitacional, a equipe identificou as dificuldades que cercam o lançamento de espaçonaves para missões futuras.

“Para disparar o equivalente a uma missão lunar da Apollo em órbita, um foguete precisaria de uma massa de cerca de 440 mil toneladas, equivalente à Grande Pirâmide de Gizé, no Egito, por conta das exigências de combustível. Isso significa que civilizações alienígenas em "super-Terras" precisariam usar foguetes que não dependem de combustível químico para entrar no espaço”, disse Hippke.

Leia também: Urano é coberto por nuvem que tem 'cheiro de ovo podre', garantem cientistas

Alienígenas, "super-Terras" e voos espaciais

A pesquisa mostrou que, diante dessas condições, o voo espacial torna-se extremamente desafiador em planetas fora do sistema Solar, já que a massa de combustível necessária para dada carga útil é uma função exponencial da gravidade da superfície planetária. Além disso, em planetas massivos, os voos seriam ainda mais caros.

As possibilidades de criar um foguete poderoso o suficiente para superar a atração das “super-Terras” e a retirada de vida extraterrestre dos exoplanetas também foram analisadas, evidenciando que muitos desses mundos são encontrados em regiões ao redor de estrelas distantes, onde pode haver água e condições ideais para suportar a habitação de diferentes espécies.

Leia também: Missão da Nasa encontra buracos no Ártico e cientistas ficam intrigados

"Civilizações de 'super-Terras' são menos propensas a explorar o universo. Creio que até a comunicação ocorre de forma diferente, já que provavelmente estão presos em seu planeta natal, usando radiotelescópios para interação interestelar", disse.

"Embora a atração gravitacional dificulte a saída do planeta, isso não quer dizer que potenciais  alienígenas estejam confinados e ameaçados. Na verdade, muitos fatores podem mantê-los mais seguros por conta da produção de gases que tornam a atmosfera mais espessa e longe de raios cósmicos prejudiciais”, concluiu.