Tamanho do texto

Pesquisa analisou o comportamento dos gatos e como reagiram a diferentes interações; felinos preferem mulheres adultas e gostam menos de meninos

De acordo com pesquisa, gatos gostam mais da abordagem das mulheres, por isso têm preferência por elas
Reprodução/Twitter
De acordo com pesquisa, gatos gostam mais da abordagem das mulheres, por isso têm preferência por elas

A ciência pode ter encontrado uma maneira de explicar o estereótipo de “senhora dos gatos”. De acordo com uma pesquisa da Universidade Anglia Ruskin, os felinos domésticos tendem a ter um relacionamento melhor com adultos do sexo feminino.

Leia também: 'Queria estar morta': libélula finge a própria morte para fugir do sexo

Por mais que alguns achem os gatos muito distantes e independentes, para outros eles podem ser os animais de estimação perfeitos. De acordo com dados de 2013 do IBGE, 17,7% dos lares brasileiros têm pelo menos um gato.

Os pequenos felinos têm a capacidade de suprir a necessidade das pessoas de ter uma relação com um animal, além de oferecerem apoio emocional e social e social aos donos. Entretanto, eles ainda não tiveram seus comportamentos tão analisados quanto os cachorros, por exemplo.

Ainda assim, estudos demonstram que os bichanos podem formar laços afetivos com seus donos. O que não se sabe é se essa preferência é estabelecida com base na segurança que é oferecida ao animal por seu humano.

Leia também: Separada de sua parceira, ursa polar morre "de coração partido" em parque

Além disso, eles tendem a interagir melhor com seus donos do que com estranhos e a qualidade dessa interação pode ser determinada por idade, por gênero e por quanto tempo a pessoa tem disponível. Os felinos tendem a ter um relacionamento melhor com mulheres adultas, algo que pode ser explicado pelo comportamento humano.

Homens, por exemplo, tendem a interagir com os animais enquanto sentados, já as mulheres costumam se colocar no nível do gato, normalmente no chão, durante as brincadeiras. Outra diferença é que os adultos chamam os animais antes da interação enquanto crianças se aproximam diretamente, o que pode não ser tolerado pelos bichanos.

Os pesquisadores também observaram que interações iniciadas pelos animais normalmente duram mais tempo do que aquelas iniciadas por humanos. Sendo assim, com tantos fatores envolvidos, a sociabilidade de um único gato pode variar de muito independente a muito apegado.

Leia também: Não são fãs do Bieber! Chimpanzés se mostram irritados com hits pop, diz estudo

Fator genético

A sociabilidade dos gatos também depende de fatores genéticos. Filhotes de pais sociáveis costumam herdar essa característica e donos de Siameses e Persas relatam maior afetividade do que donos de raças sem pedigree.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.