Policiais militares estão em operação para retomada de estações da Supervia
Divulgação/PMERJ - 08.04.2022
Policiais militares estão em operação para retomada de estações da Supervia

Começou na manhã desta sexta-feira (8) a Operação Estação Segura, que integra a força-tarefa nos ramais da SuperVia anunciada pelo Governo do Rio ontem. Esta ação é um plano de retomada com atuação da Polícia Militar para a recuperação de 12 estações "que são consideradas perdidas" para o crime organizado, das quais nove estão na capital. Nesta manhã, policiais estão em quatro delas: Guapimirim, Manguinhos (na cidade do Rio), Parada Angélica (em Duque de Caxias) e Suruí (em Magé).

As estações incluídas no programa são:

Barros Filho, Rio
Costa Barros, Rio
Del Castilho, Rio
Guapimirim
Honório Gurgel, Rio
Jacaré, Rio
Manguinhos, Rio
Parada Angélica, Duque de Caxias
Parada de Lucas, Rio
Senador Camará, Rio
Suruí, Magé
Vigário Geral, Rio

Participam das ações, desta sexta, o Grupamento de Policiamento Ferroviário (GPFer), os batalhões de área e a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) em pontos específicos da malha ferroviária.

Na última quarta-feira (6), quando a SuperVia não pôde iniciar as operações nos ramais Belford Roxo e Saracuruna — que também atingiu as extensões Vila Inhomirim e Guapimirim — devido ao furto de cabo no sistema, crime constantemente relatado pela companhia como motivo direto por recorrentes atrasos nas composições. Nesse dia, 54 estações ficaram completamente paradas por cerca de três horas. As de Belford Roxo só voltaram a operar após oito horas.

Negociação suspensa

Nesta quinta-feira, o governador Cláudio Castro questionou as alegações da SuperVia sobre o furto de cabos, o que estaria impactando diretamente no desempenho do serviço. Citando o problema ocorrido há dois dias, Castro anunciou a suspensão da negociação do aumento da tarifa da Supervia, chamando de "cara de pau" o pedido de reajuste.

Leia Também

"Queremos entender quais são os problemas. Está claro que não é furto de cabos. Se 38 km tivessem sido furtados, não tinha nenhum trem em circulação. Esse pode ser um dos problemas. O estado quer saber o que está acontecendo" disse o governador em coletiva na noite desta quinta.

O governador criticou a forma que a Supervia registra os casos de furtos de cabos, dizendo que a concessionária "deliberadamente" faz o registro "em lote", o que dificulta, segundo Castro, o trabalho da Polícia de investigação e "incapacita" o poder de resposta do estado.

"As forças de segurança alertaram a concessionária o baixo efetivo de guarda patrimonial. Material de alto valor muitas vezes é protegido por um simples cadeado. A segurança pública não será utilizada como desculpa para problemas da concessionária" afirmou.

Em nota enviada na quarta-feira, quando houve a paralisação dos ramais Belford Roxo e Saracuruna, a SuperVia afirmou que apenas de janeiro a março deste ano foram "registradas 348 ocorrências de furtos de cabos, o que representa um aumento de 133% em relação ao mesmo período de 2021". Segundo a companhia, no ano passado "houve 861 ocorrências de furto de cabos de cobre de sinalização, um número 142% maior na comparação com todo o ano de 2020". O gasto com a reposição de material foi de R$ 1,65 milhão.

Entre no c anal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários