Leniel com o seu filho Henry, que tinha quatro anos
Reprodução/ Redes Sociais
Leniel com o seu filho Henry, que tinha quatro anos

O pai de menino Henry Borel, Leniel Borel, chegou cedo ao Tribunal de Justiça na manhã desta segunda-feira acompanhado do assistente de acusação Cristiano Medina . Os dois temem que o ex-vereador tome como estratégia protelar o processo. Leniel acredita que Jairinho possa tentar deixar a prisão e fugir do país.

O ex-vereador será finalmente interrogado nesta segunda-feira . Em sua última audiência no banco dos réus, Jairinho não quis responder às perguntas e pediu acesso a outras provas e documentos, como laudos médicos.

"São 1 ano e 3 meses que eu luto todo dia para saber a verdade o que aconteceu com Henry. Eu esperei que na audiência, a Monique falasse, lutasse por Justiça. Mas, de uma maneira dissimulada, nas 12 horas que ela ficou lá, ela fala que só Deus, Jairo ou Henry poderiam falar o que aconteceu. Já que Deus fala comigo no meu coração, Henry não está aqui para contar essa história, e o Jairo é a única pessoa que possa falar. Espero muito que Jairo fale. Isso é o Leniel pai falando. Mas, o Leniel cidadão, que acompanha o caso, pelo que se tem desenhado o Jairo não vai falar. Vai desmaiar, vai falar, que está passando mal, vai chorar, porque estão tentando medidas protelatórias, tentando com inúmeros habeas corpus colocar Jairo pra casa e ele fugir do país", afirmou Leniel.

O assistente de acusação, Cristiano Medina, reforçou que vai tentar evitar que a defesa de Jairo tente adiar o desfecho do processo. "A defesa (de Jairo) está anunciando desde a última audiência de que não tem interesse em terminar hoje a instrução. Eles estão tentando eternizar o processo. Isso não é exercício de ampla defesa e contraditório. Junto ao MP vou estar intervindo para que termine a instrução hoje e ele seja pronunciado (levado ao júri popular)", afirmou o assistente de acusação ao lado de Leniel.

Em frente ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, cerca de vinte pessoas, em sua maioria mulheres, estendem faixas e gritam palavras de ordem com pedidos de Justiça por Henry. O grupo contra a violência denominado Nave veio de São Paulo pressionar para o julgamento do caso. As mulheres, que tem em comum terem sofrido violência no seio de sua família, pedem júri popular para o casal e dizem "Monique não nos representa".

Lucilene de Santana é fundadora do grupo de apoio contra a violência e feminicídio Nave, que tem mais de dez anos. Ela conta que a partir da perda de seu tio por um erro médico, decidiu articular um grupo de apoio a famílias. "O grupo tem familiares de vítimas em todo o Brasil. Conforme vem a necessidade da família, tentamos ajudar a todos. A gente sente a necessidade de ter um lugar de apoio.

A irmã de Jairinho, Thalita Fernandes Santos, compareceu ao tribunal para acompanhar o interrogatório do irmão. Ela foi amparada por familiares porque não queria ser fotografada pela imprensa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários