O Indigenista Bruno Araújo e o jornalista Dom Phillips
Reprodução - 06/06/2022
O Indigenista Bruno Araújo e o jornalista Dom Phillips

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou, nesta segunda-feira (6),um procedimento administrativo para apurar o desaparecimento do jornalista inglês Dom Philips e do indigenista Bruno Araújo Pereira, na Amazônia. O também acionou a Marinha, as polícias Civil e Federal, a Força Nacional e a Frente de Proteção Etnoambiental do Vale do Javari para participar das buscas.

"O MPF seguirá intermediando as ações de buscas e mobilizando as forças pra assegurar a atuação integrada e articulada das autoridades, visando solucionar o caso o mais rápido possível", afirma o órgão.

O MPF disse que foi informado pela União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) sobre o desaparecimento. O caso é investigado pela Polícia Federal. De acordo com o 'Estadão', a marinha informou ao MPF que vai conduzir, por meio do Comando de Operações Navais, as atividades de busca na região, .

Bruno é servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai) e Dom Philips é colaborador do jornal "The Guardian". Eles desapareceram no domingo (4), no trajeto entre a comunidade Ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte.

Segundo o jornal "The Guardian", Phillips está trabalhando em um livro sobre meio ambiente com apoio da Fundação Alicia Patterson. De acordo com a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), o indigenista Bruno Araújo Pereira recebia constantes ameaças de madeireiros, garimpeiros e pescadores (saiba mais abaixo).

A Funai disse ao g1 que Bruno é servidor da fundação, mas que não estava no local de trabalho. O funcionário havia "tirado uma licença", segundo a Funai.

"Cumpre esclarecer que, embora o indigenista Bruno da Cunha Araújo Pereira integre o quadro de servidores da Funai, ele não estava na região em missão institucional, dado que se encontra de licença para tratar de interesses particulares", diz a Funai.

Ameaças

Segundo informações da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), o indigenista Bruno Araújo Pereira era ameaçado por madeireiros, garimpeiros e pescadores. Também conforme a Univaja, Bruno Pereira é "experiente e profundo conhecedor da região, pois foi Coordenador Regional da Funai de Atalaia do Norte por anos".

"Os dois se deslocaram com o objetivo de visitar a equipe de Vigilância Indígena que se encontra próxima à localidade chamada Lago do Jaburu (próxima da Base de Vigilância da FUNAI no rio Ituí), para que o jornalista visitasse o local e fizesse algumas entrevistas com os indígenas", diz a Univaja.

Dom Phillips mora em Salvador e faz reportagens sobre o Brasil há mais de 15 anos para veículos como Washington Post, New York Times e Financial Times.

O que diz a Funai

"A Funai informa que acompanha o caso, está em contato com as forças de segurança que atuam na região e colabora com as buscas. Cumpre esclarecer que, embora o indigenista Bruno da Cunha Araújo Pereira integre o quadro de servidores da Funai, ele não estava na região em missão institucional, dado que se encontra de licença para tratar de interesses particulares."

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários