Ex-presidente Michel Temer
Wilson Dias / Agencia Brasil
Ex-presidente Michel Temer

 Após deixar a Presidência da República em 2018, Michel Temer não se distanciou completamente da política, mas fez um movimento de retorno às origens: os tribunais. Hoje, ele se divide entre o papel de articulador político eventual e o de advogado. Temer atua em pelo menos três processos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) e outro em curso na Justiça paulista. Na lista de clientes, estão: uma associação de shopping centers, um tabelião do Tocantins e uma rede de farmácias de São Paulo.

Mais de 1 milhão de inscritos:Sem Telegram, Bolsonaro pode perder em divulgação e coordenação de estratégia nas redes, dizem especialistas

Formado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), uma das mais tradicionais do país, e autor de livros sobre Direito Constitucional, o ex-presidente passou mais de três décadas longe da advocacia. Depois de exercer o ofício nos primeiros anos de carreira, ele fechou o escritório que mantinha na capital paulista, ainda na década de 1980, para integrar o governo de Franco Montoro. Primeiro, foi procurador-geral do Estado e depois, secretário de Segurança Pública.

Em duas ações no Supremo, Temer defende a Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce). A entidade é contra a mudança no índice de reajuste dos aluguéis, substituindo o IGP-M, que teve alta durante a pandemia, pelo IPCA, com elevação menor.

O ex-presidente também está à frente de um processo no STF em que um tabelião de um cartório de Palmas, nomeado em 1989, discute o direito de ter assumido o posto sem concurso público. Já a rede de farmácias defendida por Temer briga no Tribunal de Justiça de São Paulo pelo valor do ICMS pago.

Um dos casos da Abrasce e a contenda do tabelião são relatadas na Corte pelo ministro Alexandre de Moraes, nomeado para o Supremo pelo próprio Temer quando estava no comando do Palácio do Planalto. A outra ação de interesse da entidade que representa os shoppings centers está sob a relatoria do ministro Luís Roberto Barroso. Até agora, não houve decisões importantes em nenhum dos processos que tramitam no STF.

Advogado que convidou Temer para entrar na causa que envolve o tabelião, Rafael Mota conta que o ex-presidente ouve na mesma medida em que opina.

"O presidente fez questão de escrever, de debater o caso. Ficamos o dia inteiro discutindo palavra por palavra. Ele lógico que pergunta a nossa opinião. Algumas expressões, por exemplo, foi ele que pediu: eu quero assim, quero desse jeito. Tudo ele expõe, debate", afirma Mota.

Leia Também

Ele diz não ver constrangimento no fato de Temer advogar numa causa relatada pelo ministro que chegou ao tribunal por suas mãos:

"O presidente tem uma atuação muito republicana. Não tem nenhum impedimento (Moraes) ter sido nomeado por ele."

O GLOBO questionou o STF se Moraes pretende se afastar desses processos ou se não vê impedimento para atuar neles. Não houve retorno até o fechamento desta edição.

No ano passado, no auge de uma crise institucional em que o presidente Jair Bolsonaro disparou ataques contra ministros do STF, tendo Moraes como alvo principal, Temer intermediou uma conversa por telefone e um pedido de desculpas do chefe do Executivo que culminou com um armistício entre os representantes dos dois Poderes.

Presença na Laja-jato

Numa das primeiras incursões de Temer no campo jurídico após deixar o Palácio do Planalto com rejeição de 62% dos brasileiros, segundo o Datafolha, ele foi contratado para elaborar um parecer para a empresa chinesa de telecomunicações Huawei sobre o leilão para a instalação da tecnologia 5G no Brasil. Ao ser questionado sobre o assunto durante entrevista ao programa “Roda Viva”, da TV Cultura, Temer falou sobre a retomada das atividades de advogado.

"Você sabe que sou da área jurídica e tenho que sobreviver. Retomei a advocacia modestamente. Tenho sido procurado para pareceres."

Temer também já ocupou a mais incômoda das cadeiras de um tribunal: a de réu. Ele chegou a ser preso por ordem do juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Lava-Jato no Rio de Janeiro, mas acabou sendo solto poucos dias depois. O ex-presidente conseguiu a anulação de algumas decisões do magistrado e foi absolvido em outros processos criminais a que respondia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários