Voluntários recebem doações para as vítimas das chuvas em Petrópolis
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Voluntários recebem doações para as vítimas das chuvas em Petrópolis

Apesar de contar com toneladas de doações de alimentos e roupas, muitas famílias seguem tendo dificuldades para ter acesso, principalmente a comida, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. São pessoas que perderam emprego ou outras fontes de renda e estão em situação de vulnerabilidade social, após mais de duas semanas do temporal.

As doações que chegam à cidade ficam sob controle das equipes da Prefeitura e do governo do estado que atuam no auxílio às vítimas. Nesse momento, apenas os desabrigados e as pessoas que perderam familiares estão recebendo todo material enviado, distribuídos em abrigos ou pontos de apoio. Para isso, os beneficiados apresentam documentos que atestem a situação de vulnerabilidade, como laudo da Defesa Civil comprovando a destruição das casas ou o cadastro de pessoas abrigadas.

A dona de casa Bruna Assis não tem nenhum destes documentos. Moradora da Quitandinha, ela não perdeu familiares e não teve o imóvel afetado pela chuva. No entanto, a casa onde trabalhava como doméstica foi destruída em um deslizamento e ela perdeu a fonte de renda com a qual sustentava a família.

Sem dinheiro para comprar comida e sem acesso às doações enviadas à cidade serrana, por não se enquadrar nos critérios, ela acordou nesta quarta às 4h e, com duas vizinhas, se dirigiu ao Clube Petropolitano, onde uma organização não-governamental, com auxílio do governo estadual, distribui cestas básicas sem determinar restrições.

"Espero conseguir pegar uma cesta aqui porque é onde podemos pedir sem ter de apresentar laudo da Defesa Civil ou outro documento. A casa onde eu trabalhava caiu e fiquei sem emprego. Tenho duas filhas para alimentar", contou Bruna.

Desempregada, Yane Chaves também madrugou para ser uma das primeiras da fila e conseguir uma cesta básica. Sem ter com quem deixar a filha, a bebê Anne, de apenas dois meses, ela chegou ao Petropolitano às 5h e teve de aguardar até as 10h40. Boa parte do tempo sob sol para conseguir uma senha para a retirada dos alimentos.

Leia Também

"Pessoal não se sensibiliza mesmo com uma criança de colo. Se não foi vítima direta da tragédia você não consegue. Aí precisamos acordar cedo e encarar uma fila de horas para conseguir comida. E eu vou precisar outras vezes porque fiquei desempregada antes do temporal e agora mesmo que vai ser difícil conseguir trabalho", afirmou.

No Petropolitano, são distribuídas 200 senhas diariamente para retirada de cestas básicas, das quais 100 são para grupos prioritários e outras 100 para os primeiros da fila. Na manhã desta quinta, o número de pessoas era maior do que o de senhas. Algumas pessoas saíram de mãos vazias. Uma delas foi a dona de casa Yolanda Sousa.

"Devia ter vindo mais cedo. Não imaginava que teria tanta gente aqui. Vou para casa e volto de madrugada com uma cadeira para ser a primeira da fila de amanhã", prometeu.

A Prefeitura de Petrópolis foi acionada para comentar a respeito da decisão de beneficiar com doações recebidas apenas as vítimas diretas da chuva, mas não respondeu até a publicação desta reportagem.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários